O que você precisa saber sobre a cerveja – 13 mitos e verdades sobre a bebida alcoólica mais consumida no país.

cerveja-mitos-e-verdades
Ela já foi tema de música, tem um dia só dela e sempre é usada como pretexto para reunir os amigos. Sim, estamos falando da cerveja – a bebida alcoólica mais consumida no país.
Toda primeira sexta-feira de agosto é comemorado no Brasil e em outros 50 países o Dia Internacional da Cerveja e, por isso, nada melhor do que usar a data para desmistificar alguns fatos sobre ela.

Esqueça, por exemplo, aquele mito de que cerveja pode dar barriga, pois pesquisas comprovam que quando bebida com moderação não dá.
Além disso, quando comparada com outras bebidas, principalmente as destiladas, ela é muito mais saudável e pode sim ser inserida a um estilo de vida balanceado.
Os mitos e verdades foram listados pelo beer sommelier Tulio Rodrigues, fundador da Beer Academy e professor da Fundação Getúlio Vargas na disciplina Administração dos Negócios da Cerveja.

Veja nas imagens 13 mitos e verdades sobre a cerveja que você precisa saber:

1 – Cerveja deitada gela mais rápido? Mito

De acordo com Tulio Rodrigues, a melhor posição para armazenar e gelar cervejas é de pé, “para que a superfície de contato do líquido com o ar seja menor”.
Além disso, o especialista alerta também que a cerveja deve ser resfriada gradualmente, ou seja, colocá-la no congelador, só se for um pouco antes de consumi-la.

2 – Cerveja não deve ser servida muito gelada? Verdade

Tulio explica que quando servida em baixíssima temperatura, a cerveja acaba anestesiando as papilas gustativas da língua, que fazem com que a sensibilidade para degustar a bebida seja perdida.
“O calor pede cervejas geladas, mas sem exageros”, afirma o beer sommelier.

3 – Cerveja dá barriga? Mito

Segundo Tulio, esse é o mito mais famoso que existe sobre a cerveja, mas a ciência já comprovou que, se consumida com moderação, a cerveja não é a responsável pelo aumento de peso nem de gordura abdominal.
Estudos mostraram que o que engorda não é a cerveja, mas os alimentos gordurosos, os famosos tira-gostos, que são frequentemente combinados com a bebida.

4 – Chope é a mesma coisa que cerveja? Verdade

O chope e a cerveja são a mesma bebida. A diferença, no entanto, é que a cerveja passa pelo processo de pasteurização – tratamento térmico que garante maior prazo de validade ao produto.
Já o chope, por sua vez, não passa pelo mesmo processo, é mais calórico do que a cerveja e tem um prazo de validade menor

5 – Cerveja não pode ser inserida em um estilo de vida balanceado? Mito

“Esse é outro pensamento bastante equivocado disseminado aqui no Brasil”, afirma Tulio.
O especialista explica que , assim como o vinho, a cerveja é feita de ingredientes naturais cujos benefícios são cientificamente comprovados.
“Um bom exemplo disso é a cevada, que dá origem ao malte, e o lúpulo. Ambos são ricos em antioxidantes, vitaminas e minerais, que, além de ajudarem a dar corpo, aroma, sabor e textura à cerveja, fazem da bebida uma aliada na dieta balanceada”, diz o sommelier.

6 – O colarinho tem alguma função? Verdade

Se você acha que não, o colarinho tem sim papel importante, pois a espuma protege a bebida da oxidação, reduz a perda de gás e mantém a temperatura. “Dois dedos de espessura é o ideal”, explica Tulio.

7 – Não existe copo específico para tomar cerveja? Mito

Cada estilo de cerveja pede um tipo de copo adequado para que os sabores e aromas sejam ressaltados.
A pilsen pode ser apreciada em uma tulipa ou caneca, a lambic pede taças do tipo flauta e a weissbier deve ser servida em copos maiores.
Se não tiver o copo ideal, utilize taças de vinho branco, ensina o sommelier.

8 – Cerveja é uma bebida de baixa caloria? Verdade

Se comparada com outras bebidas, como o vinho e até o suco de laranja, a cerveja pode ser considerada uma bebida de baixa caloria. Uma taça de cerveja tem em média 120 calorias, já a mesma quantidade de vinho 240 calorias.
A cerveja também possui os mesmos compostos orgânicos benéficos à saúde que o vinho: antioxidantes, vitaminas e sais minerais, explica Tulio.

9 – Cervejas artesanais, especiais e mainstream são a mesma coisa? Mito

De acordo com Tulio, podemos classificar as cervejas de acordo com a forma como elas são produzidas.
“A diferença básica entre elas é que as cervejas chamadas de mainstream têm um processo de fabricação bastante elaborado, complexo, justamente para garantir a qualidade da reprodutibilidade da receita”.
Já as cervejas ditas artesanais têm foco na licença criativa. “São cervejas de produções pequenas e mais ousadas, principalmente em termos de ingredientes”.
Por fim, as cervejas especiais são todas cujo preço é 20% maior do que as mainstream. “O que classifica uma cerveja como especial é o valor puramente econômico”, diz o especialista.

10 – O lúpulo é um conservante natural? Verdade

A função do lúpulo vai muito além de garantir o amargor da cerveja. Tulio explica que ele é um poderoso conservante natural, que pode ser utilizado até na culinária e também como cosmético.

11 – A cerveja não tem ritual de degustação? Mito

Segundo Tulio, apreciar e degustar uma cerveja pode ser uma verdadeira experiência sensorial. O especialista explica que é necessário ativar os cinco sentidos.
“Uma dica é procurar sentir os aromas da cerveja, criando uma memória olfativa da bebida, assim como o tato bucal e até a análise visual de uma cerveja”, dizTulio.

12 – A cerveja é mais saudável que outras bebidas destiladas? Verdade

Bebidas fermentadas, como a cerveja e o vinho, são mais saudáveis que as destiladas, como a cachaça e o whisky.
Além disso, a cerveja tem teor alcoólico menor que outras bebidas e o álcool da cerveja é obtido a partir de um processo natural, ou seja, mais saudável.

13 – Cerveja de garrafa é mais gostosa que a de lata? Mito

Tulio afirma que produto é o mesmo, não importa o recipiente, porém, o aroma e sabor podem ser influenciados pelo modo de conservar e resfriar a bebida.
Por isso, o ideal é manter a temperatura constante, seja ela fria ou sem refrigeração. “Quando ocorre a mudança brusca de temperatura, o sabor da cerveja é prejudicado”, afirma o especialista.

Posted in Mitos, Verdades at agosto 7th, 2015. No Comments.

Nem 300 picaretas nem 400 achacadores

nem-300-picaretas-nem-400-achacadores

No início dos anos 90, Lula fez a declaração chocante de que na Câmara dos Deputados existiam 300 picaretas, que não estavam nem aí para o Brasil e só queriam saber dos seus interesses.

Agora é a vez de Cid Gomes dizer que lá existem 400 deputados achacadores. Tanto Lula quanto Cid Gomes estão errados em chamar deputados de picaretas ou achacadores. Na verdade, esses deputados aos quais eles fizeram referências também têm ideologia tanto quanto qualquer outro.

São simpatizantes da ideologia de que o certo ou errado, a verdade ou mentira é mera questão conjuntural, que o mandato é do indivíduo que o conquistou e que na Câmara vota como bem quiser e entender para alimentar sua reeleição. Aplicam o princípio da lei de Gérson em todas as oportunidades usando a arte da negociação sempre no modo ganha/perde e nunca no modo ganha/ganha. Isto é, esses Deputados sempre ganham e os outros sempre perdem.

Alguns partidos que podem somar os trezentos ou quatrocentos deputados citados por Lula e Cid também têm uma linha ideológica de atuação e não de picaretagem ou de achaque. Qual seja, a esses partidos interessa a quantidade de governadores, senadores, deputados que os compõem. Por via de consequência, quanto maior o número de membros mais espaço será ocupado nos governos que participarem.

Vou dar apenas um exemplo usando o atual Vice Presidente da República e Presidente do PMDB Michel Temer. Durante a última campanha, ele empreendeu viagem ao Rio Grande do Sul para apoiar o candidato do seu partido, José Ivo Sartori, ao governo daquele estado. Até aí, seria tudo normal, não fosse o fato de que Sartori não trabalhasse para eleger o Vice Presidente da República do seu próprio partido mas da coligação tucana.

Desculpe-me o Lula, mas isso não é picaretagem. Também Cid Gomes está errado, porque o Vice Presidente eleito Michel Temer buscava fortalecer o seu partido, elegendo mais um governador, não para achacar, mas para ter mais espaço no próximo governo, fosse ele ou qualquer outro o vitorioso. Dessa forma, não fique espantado se a Presidente eleita, Dilma Rousseff, nomear para Ministro um indicado pelo PMDB que nem sequer tenha trabalhado ou votado neles.

Essa é a ideologia da maioria dos Deputados da Câmara e também dos partidos políticos que eles compõem. Essa é a ideologia e prática da velha política e nós já estamos carecas de tanto que a conhecemos. O que me causa estranheza é que ela fica cada dia mais velha e mais forte, mais velha e ganhando adesões, portanto mais velha e mais abrangente.

Para contrapor à velha política precisamos de uma nova, que pode perfeitamente começar por aqueles que descobriram, a partir de sua participação nas manifestações, que um voto é muito pouco para construir um Brasil melhor para todos e resolvessem canalizar um esforço a mais para a militância político-partidária. Essa nova militância seria um pilar fundamental para a Nova Política, única capaz, realmente, de passar Brasil a limpo.

Posted in Verdades at março 23rd, 2015. No Comments.

Peixe Panga Faz Mal, Verdade ou Mentira?

peixe-panga-faz-mal-verdade-ou-mentira

Quem me conhece sabe que sou chef de cozinha e fui proprietário de restaurante há alguns anos atrás. Nesse tempo, virei um fâ do peixe Panga. Sua carne é macia, saborosa e é um peixe muito fácil de se trabalhar. Sem contar o preço, que é sempre muito baixo, sendo sempre um dos peixes mais baratos à disposição. Só reclamo do Panga quando o vejo sendo vendido como linguado em alguns restaurantes.

De textura inconfundível, o segredo do Panga é tirar aquela gordura. Se isso não for feito, ele se transforma em uma carne forte e pesada, que não lembra em nada sua leveza e maciez.

Por todos esses motivos, chegou a vez de defender o bichinho daquele eterno email que todos recebem falando muito mal desse belo peixe.

Texto alarmista

Foi 2009, que esse texto super alarmista começou a circular pela internet. O autor, muito preocupado com nossa saúde, pedia para que todos avisássemos o maior número de pessoas para não comer esse peixe, pois sua carne estaria contaminada com altos índices de venenos e bactérias.

Verdadeiro ou Falso?

Analisando o e-mail – que sofreu várias alterações com o passar do tempo – podemos verificar que ele possui vários indícios que caracterizam uma boa farsa da web:

-Cita nomes de entidades para dar mais crédito à notícia;
-É impreciso e contraditório em vários pontos;
-Apela para o lado emocional do leitor;
-Usa em certos trechos letras maiúsculas para chamar a atenção do leitor;
-Não cita as fontes de onde a tal noticia foi retirada;
-Não é datado;
-Trata de um assunto que interessa a muitos leitores: a saúde;
-Pede para ser repassado para o maior numero de pessoas possível;
-Logo no primeiro parágrafo, o texto afirma:
“REPASSANDO COM URGÊNCIA – FATO COMPROVADO – REPASSEM PARA TODOS OS SEUS CONTATOS…”
Já começa bem! Repasse para todos os seus contatos um fato comprovado. Comprovado por quem?

Mais abaixo, o texto cita a ASAE (Sociedade Americana de Engenheiros Agrônomos), mas não mostra nenhum link ou recorte de jornal para comprovar que a tal Sociedade tenha publicado tal notícia.

O autor (ou quem acrescentou o texto na mensagem original) ainda mistura o perigo do consumo do peixe Panga (Pangasius hypophthalmus) a uma contaminação que teria ocorrido na época em que o presidente do Brasil era o Sarney. Trecho igualmente sem datas ou fatos concretos que atestem a veracidade da informação.

Quem escreveu o texto afirmou que um dia estava comendo em um restaurante self-service quando teve a curiosidade de examinar um dos filés de peixe. Na verdade, o autor afirma que levou o peixe para análise, mas não apresenta nenhuma prova ou o resultado dessa análise. Será que teria levado a um laboratório? Será que a análise foi feita ali mesmo, no restaurante?

O texto prossegue e afirma que dentro das postas do peixe servido havia filamentos e esses filamentos eram vermes de dois centímetros. Será mesmo?

O texto prossegue e afirma que dentro das postas do peixe servido havia filamentos e esses filamentos eram vermes de dois centímetros. Será mesmo?

E ainda: Ao analisar o peixe, o autor concluiu que a amostra era “de água doce, proveniente de rios extremamente poluídos de excrementos, dejetos e toda sorte de poluição biológica, física e química devido, entre fatores diversos, à maciça ocupação de barcos que servem de vias e moradias que constituem aglomerados populacionais de pessoas carentes de serviços sanitários e salutares”! Que análise, hein?

Uma dúvida: Será que essa análise feita em apenas um filé vale para todos os peixes Panga?

Mais adiante, o e-mail afirma que:

“Os Pangas estão infestados com elevados níveis de venenos e bactérias. (arsênio dos efluentes industriais e tóxicos e perigosos subprodutos do crescente setor industrial, metais pesados, bifenilos policlorados (PCB), o DDT e seus (DDTs), clorato, compostos relacionados (CHLs), hexaclorocicloexano isómeros (HCHs), e hexaclorobenzeno (HCB)).”

Um parágrafo com tantos nomes complicados e com muitas siglas. Com tantas informações assim dá até preguiça de verificar se o parágrafo é real! É mais fácil repassar o texto. Mas será que tudo isso é verdade?
De acordo com uma análise feita em novembro de 2009 pela DECO Proteste (Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor) – onde foram testadas 5 marcas de filé de Panga congelado – foi encontrada uma bactéria chamada Listeria monocytogenes, porém em uma quantidades tão insignificantes que não chegam a ameaçar a saúde de ninguém!

Além disso, a DECO também não encontrou metais pesados e tampouco resíduos de medicamentos anti-infecciosos.

Também é bom ressaltar que, conforme observado pelo site Agrolink, “O Panga é cultivado há mais de mil anos no Rio Mekong, no Vietnã, um dos maiores rios do mundo, localizado no sudeste asiático. Há muitos anos, é exportado para mais de 240 nações, entre elas os Estados Unidos, todos os países da Comunidade Européia, Japão, Rússia, Austrália, entre outros. Só este fato bastaria para atestar sua qualidade e segurança para o consumidor. Ainda assim, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) do Brasil realizou uma série de análises nesta espécie, com o objetivo de confirmar a alta qualidade do produto, que foi aprovado sem restrições.”.

Notícias sobre intoxicação

Pesquisando por noticias sobre o peixe Panga nas versões online dos jornais A Folha de São Paulo e do Estadão não encontramos nada sobre casos de intoxicações ou envenenamento relacionados ao consumo do dito peixe. Será que a mídia estaria escondendo o fato? A troco de quê?
O e-mail ainda afirma no próximo parágrafo que não há nada de natural nos Pangas! Sinceramente, não dá para entender o que querem dizer com isso. Não é natural um peixe que come restos de peixes mortos?

O autor do texto também compara o Panga às vacas loucas que, segundo ele, seriam vacas que se alimentavam de vacas. Segundo o Como as Coisas Funcionam, acredita-se que nos anos 1990 a doença que atacou as vacas teria sido causada pelo consumo de ração contaminada. Como boa parte da ração britânica era composta por ossos de carneiros (e a doença surgiu primeiro nesses bichos), deduziu-se que a doença teria se propagado dessa forma. Em carneiros. Não em vacas!

A seguir, o texto alerta:

“Basicamente, são peixes com hormônios injetáveis (produzidos por uma empresa farmacêutica na China) para acelerar o processo de crescimento e reprodução. Isso não pode ser bom.”

Apesar do e-mail não dizer o nome da empresa farmacêutica chinesa, e importante avisar que o tratamento de peixes com o uso de hormônios não é exclusividade do Panga. Outros peixes também recebem essa “ajudinha” de seus criadores com hormônios naturais e/ou sintéticos. Será que esses hormônios fazem mal apenas ao Panga? A solução seria banir todos os peixes das refeições?

No trecho abaixo, o autor do texto alarmista conta que:
“Ao comprar Pangas estamos colaborando com empresas gigantes sem escrúpulos e gananciosas que não se preocupam com a saúde e o bem-estar dos seres humanos.”

O parágrafo acima talvez sintetize uma insatisfação de muitos produtores nacionais que estariam tentando boicotar a

importação do peixe vietnamita. Um exemplo disso é a notícia publicada no JusBrasil mostrando que a importação do peixe Panga teria sido suspensa em 2010 em Santa Catarina (e no resto do Brasil). O motivo: O preço do peixe importado estava abaixo do valor do peixe produzido aqui no nosso país. O mesmo motivo também é apontado por Jomar Carvalho Filho em seu artigo sobre a concorrência desleal que o importado teria sobre os nacionais.

Essa briga com os importados também ocorre em outros países: A agência de notícias BBC conta que nos Estados Unidos as autoridades do comércio decidiram impor tarifas extras sobre importações de produtos vindos de 2 países da Ásia.

Origem
Ao que tudo indica, o texto foi escrito em um blog de uma moça chamada “Pris” em junho de 2008. O texto não está mais online. Pris, conforme ela mesma afirma em sue blog, está (ou estava) morando no Vietnã e escreveu esse texto baseando-se em um documentário em francês e também nesse texto sobre o Panga. Alguém, em algum momento, traduziu o tal artigo e espalhou em português.

Conclusão:

Até onde se sabe o peixe Panga não é venenoso e não faz mal para quem o consome. Todavia, assim como todos os alimentos, é preciso que se tenha higiene ao prepará-lo. Verifique também a procedência de tudo que vai comer.

Posted in Verdades at março 4th, 2015. 3 Comments.

Música chiclete – Sons chatos grudam mais na nossa cabeça?

som-grudento-musica-chiclete-gruda-na-cabecaPraticamente todo mundo já passou por isso: ficar o dia todo com uma música na cabeça, cantando repetidamente apenas uma parte dela, odiando-a cada vez mais.

Sejam canções de rock, funk ou música clássica, é fácil ter fragmentos grudados na mente, tocando incessantemente por algum período determinado, mesmo que a música não seja do seu agrado.

Essa repetição “chiclete” é conhecida pelo termo “earworm” (algo como “verme de ouvido”), expressão utilizada pela primeira vez em 1980, em tradução literal do alemão “ohrwurm”.

Em um estudo recente da Universidade Western Washington (EUA), pesquisadores analisaram o que torna as músicas mais propensas a “grudar na nossa mente”, expondo centenas de participantes inocentes a canções populares e, em seguida, pedindo-lhes para completar várias tarefas.

Pesquisas anteriores haviam mostrado que as pessoas são capazes de recordar o primeiro verso de uma música que elas gostam, mas depois do refrão, começam a tropeçar na letra. Neste ponto, a música torna-se “incompleta” (você não “consegue” encerrá-la), e isso se torna um pensamento intrusivo.

“Chega-se ao refrão, e então você trava bem ali, e fica ‘condenado’ a esse ponto da música”, explica Ira Hyman Jr, principal autor do novo estudo.

A pesquisa descobriu que as canções se “intrometeram” nas mentes das pessoas tipicamente durante as tarefas muito difíceis, o que fez com que a mente vagasse, ou muito fáceis, o que criou uma abertura mental para pensamentos repetitivos.

Mais: a pesquisa sugere que as músicas de que gostamos, e não aquelas que desprezamos, são mais propensas a formar pensamentos intrusivos – os quais vão se “intrometer” na nossa mente quando nos deparamos com tarefas mais fáceis ou mais difíceis.

O truque para afugentar um “earworm”, segundo o Dr. Hyman, é encontrar uma tarefa envolvente que exija os componentes auditivos e verbais de sua memória de trabalho – como a leitura de um bom livro ou assistir a seu programa favorito.[NYTimes]

Espontaneamente chata

Outras pesquisas sobre o assunto já foram feitas. A Dra. Vicky Williamson, da Universidade Goldsmith (Reino Unido), por exemplo, sugere que a nossa memória processa certas músicas de uma forma que faz com que nossos cérebros sejam particularmente propensos a recuperá-las espontaneamente.

Ou seja, uma canção pode ser desencadeada em nossa mente por uma palavra encontrada nas letras, ou por sentimentos como estresse ou surpresa, que correspondem a uma memória particular que ocorreu enquanto você estava ouvindo a música. Por exemplo, ler a palavra “Delícia” em uma marca de margarina faz você lembrar da música do Michel Teló a ponto de cantá-la o dia todo.

Surpreendentemente, a Dra. Vicky descobriu que a composição da música (por exemplo, se é uma música que “pega” por ter rimas fáceis) não é especialmente importante para determinar se lembraremos dela ou não.

Mas essa habilidade de certas músicas de “surgirem” em nossas memórias de forma completamente espontânea, sem que procuremos nos lembrar dela, pode fazer com que fiquemos com canções que não gostamos, como “Rebolation”, na mente por muito tempo.

Os pesquisadores acreditam que isso acontece porque estruturas rítmicas e intervalos no timbre são parecidos nessas músicas – receita que torna mais fácil para nosso cérebro recordá-las.

Posted in Comportamento, Mentira, Mentiras, Mitos, Verdade, Verdades at fevereiro 26th, 2013. No Comments.

Vinagre pode enganar o resultado do Bafômetro?

Esta informação circula pela internet já faz alguns anos e há muito tempo vem surgindo sugestões para burlar o teste do bafômetro pela internet, certo!
No Programa do Ratinho teve uma reportagem, com Policiais de trânsito, sobre as possíveis receitas para driblar o bafômetro.

Então… falava-se em métodos para se burlar o BAFÔMETRO, segundo autoridades e professores químicos, eles afirmavam em vários meios de comunicações há muito tempo que não adiantava se fazer essas receitas caseiras que não funcionaria certo? Vejam só.
Um funcionário do programa tomou varias doses de Vodka com energético ok, no certo tomou 4 doses boas de vodka com energético, então vai ao teste do BAFÔMETRO.
Receitas caseiras segundo professores de química não funcionam contra o bafômetro certo.
Mico geral, quem assistiu sabe do que estou falando.

O funcionário depois das vodkas foi para o BAFÔMETRO, logo acusou um limite alto de álcool no sangue cerca de 0,30%, onde se ele fosse pego na blitz seria multado imediatamente certo.
A nova Lei 11.705, que altera o Código de Trânsito Brasileiro, proíbe o consumo de praticamente qualquer quantidade de bebida alcoólica por condutores de veículos. A partir de agora, motoristas flagrados excedendo o limite de 0,2 gramas de álcool por litro de sangue pagarão multa de 957 reais, perderão a carteira de motorista por um ano e ainda terão o carro apreendido. Para alcançar o valor-limite, basta beber uma única lata de cerveja ou uma taça de vinho. Quem for apanhado pelos já famosos “bafômetros” com mais de 0,6 gramas de álcool por litro de sangue (equivalente três latas de cerveja) poderá ser preso.

Logo foi fazer outro teste para comprovar que receitas caseiras não funcionam, segundo “autoridades e estudiosos no assunto”, o funcionário (cobaia) antes do segundo teste tomou um gole de vinagre, isso mesmo vinagre esses que temperamos saladas, lembrando que policiais e professores afirmavam que não funcionava, pois é o rapaz toma o tal vinagre ao vivo no programa e vai se ao teste, assopra no canudinho do bafômetro segurado por um policial de trânsito, kkkkkkkk o MICO DO ANO.

A câmera filmando o bafômetro no visor que detecta o teor alcoólico no ar contido no pulmão do individuo, depois de 4 doses de Vodka e, com um gole de vinagre no final, como em um passe de mágica, ACUSOU 0,10 % DE ÁLCOOL, logo o policial tira o BAFÔMETRO do foco da câmera, sem explicação para o acontecido, resumindo não acreditavam, por isso não fizeram o teste antes de ir ao ar.

PONTO DE VISTA ELETRÔNICO

Lembrando que esta postagem não tem intuito de ensinar a ninguém a burlar a lei, LEI FOI FEITA PARA SER CUMPRIDA E NÃO DISCUTIDA, MUITO MENOS BURLADA.
É bom lembrar que o policial está “habilitado” a encaminhar o motorista sujeito de embriaguez à delegacia, este fazendo ou não o teste do bafômetro! Mesmo que o motorista Pudim-de-pinga consiga usar de algum artifício para dar uma enganada no aparelho, havendo indícios de bebedeira, o cabra pode ser levado para o DP.
Frisamos que, o motorista não é obrigado a fazer o teste, com esse direito garantido por lei. E somente em caso de acidente com vítimas, o fator alcoólico poderá ter efeito legal o exame de sangue.

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL

Art.5, II da CF – ninguém será obrigado a fazer ou deixar de fazer alguma coisa senão em virtude da lei.

Art.5, X “da CF – como também no princípio onde ‘‘ ninguém deve ser obrigado a produzir prova contra si mesmo”.

 
Posted in Comportamento, Medicina, Verdade, Verdades at fevereiro 19th, 2013. No Comments.

Saúde bucal – Conheça os mitos e verdades quando o assunto é cuidar dos dentes e garantir um sorriso bonito e saudável

O cuidado com os dentes é sinônimo não só de saúde, mas também de beleza e auto estima. Porém existem muitos mitos em meio ao que realmente faz diferença na hora de manter os dentes saudáveis. Veja alguns mitos e verdades em relação ao assunto esclarecidos pelo cirurgião dentista Flavio Goulart, da Clínica Crescità.

1- Chiclete sem açúcar auxilia contra as cáries? Mito

A prevenção de cáries se dá através da escovação e uso do fio dental completados com o uso de um bochecho que contenha flúor. O chiclete sem açúcar não causa cárie mas está longe de prevenir. Além disso, a mastigação de chicletes pode levar a uma fadiga muscular (dos músculos relacionados a abertura e fechamento da boca), acentuar problemas na ATM (articulação temporamandibular) e acentuar problemas relacionados ao bruxismo.

2 – O dente do siso sempre deve ser extraído?Mito

O dente do siso normalmente não possui espaço na arcada dentária para sua correta erupção, sendo assim, na maior parte dos casos erupciona fora de posição, empurrando outros dentes, pode causar inflamação dos tecidos ao redor e em casos mais graves um trismo mandibular (caso em que o paciente não consegue abrir a boca, além de ficar com muita dor no local, sendo necessário uso de anti-inflamatórios e em alguns casos antibióticos).Desde que ele esteja corretamente posicionado não há necessidade de extração, mas isso ocorre na minoria dos casos.

3 – Bicarbonato de sódio ajuda a clarear os dentes?Mito

O bicarbonato de sódio não deve nunca ser utilizado com o intuito de clarear os dentes, ele é altamente abrasivo e seu uso inadequado pode provocar um desgaste exagerado do esmalte dentário, causando sérios danos. Hoje em dia existem outros produtos para serem utilizados no clareamento dentário que não prejudicam ou danificam o esmalte dos dentes. O bicarbonato deve ser utilizado somente pelos dentistas na intenção de promover uma limpeza superficial do esmalte, eliminando manchas causadas por alimentos, bebidas, nicotina, etc.

4 – Dentes sensíveis se fortalecem como flúor?Verdade

O flúor ajuda muito na sensibilidade dentinária, através do processo de remineralização que ele provoca, mas hoje em dia existem formas mais eficientes de acabar com os dentes sensíveis, como o uso de Laser, método indolor e extremamente eficaz.

5 – Enxaguantes bucais podem substituir a escovação?Mito

Os enxaguantes bucais apenas completam a higiene bucal, e de preferência aqueles que contem flúor em sua composição. A escovação e uso de fio dental são os métodos mais eficientes. Para pacientes que usam aparelho ortodôntico ou possuem prótese dentária, existem escovas específicas e até um sistema de jato d’água (water pik) para facilitar a higienização.

6 – Bruxismo pode danificar a superfície dental?Verdade

Existem dois tipos de bruxismo, o cêntrico (onde o paciente aperta os dentes) e o excêntrico(onde o paciente range os dentes). O bruxismo apesar de ser normalmente um hábito noturno, também pode ocorrer durante o dia, com o paciente acordado. O bruxismo excêntrico é o que tem maior poder destrutivo dos dentes, causando grande desgaste dental e em casos extremos esse desgaste chega até o nervo do dente obrigando o paciente a um tratamento endodôntico. O bruxismo além de ser prejudicial para os dentes, também pode causar estragos na ATM(articulação têmporo mandibular), alterações musculares, dores de cabeça, enxaquecas, limitações de abertura de boca.

7 – Clareamento dental sensibiliza os dentes? Verdade

Antes de fazer o clareamento dental, o dentista precisa avaliar o paciente e verificar se esse tipo de tratamento está indicado para o paciente. Em alguns pacientes o clareamento não terá o resultado esperado. Durante o processo de clareamento temos uma abertura ou desobstrução dos canais existentes entre a superfície dental e a polpa ou nervo do dente, e esse processo pode provocar em alguns pacientes um pouco de sensibilidade somente durante o período de tratamento.

8 – Escova dura limpa melhor?Mito

A escova nunca deve ser dura, sempre macia ou ultramacia e de cabeça pequena. Sempre massageando a gengiva, sem usar muita força que pode causar retrações gengivais e desgastar o esmalte. Durante sua visita ao dentista, ele vai orientá-lo sobre como deve ser feita a escovação. Escovar a língua, bochechas e tecidos adjacentes também é muito importante, pois nessas regiões temos bactérias que ficam acumuladas, causando mal hálito.

9 – Escovar os dentes imediatamente após as refeições. Verdade

Em nosso dia a dia, muitos pacientes não conseguem tempo se quer para fazer o mínimo de três escovações diárias, se formos pedir para eles aguardarem 30 minutos antes de escovar os dentes para dar tempo da saliva neutralizar o ph dos alimentos, ai que esses paciente não escovaram mesmo. E isso depende muito do alimento, por exemplo, balas tendem a ficar grudadas nos dentes, nesse caso é melhor escovar logo em seguida para eliminá-las da superfície dental. E hoje em dia os cremes dentais possuem substâncias como o bicarbonato que ajudam a neutralizar o ph ácido de alguns alimentos. Via de regra é melhor escovar logo em seguida a escovação, do que deixar de escovar.

10 – Usar grande quantidade de pasta dental – Mito

Não há necessidade, coloque uma quantidade que ocupe o sentido transverso da escova, mais do que isso você estará desperdiçando pasta pois isso não aumenta os benefícios, e aumentando a chance de engolir esse excesso, principalmente nos casos das crianças.

11 – É necessário escovar língua e gengiva?Verdade

Com toda certeza, com escovas macias ou ultramacias, uso diário, nessas regiões temos muitas bactérias alojadas. Seu dentista pode explicar corretamente a melhor técnica para não causar injúrias nesses tecidos.

12- A higienização noturna é a mais importante? Verdade

Devemos escovar no mínimo três vezes ao dia nossos dentes e usar o fio dental em todas elas, toda escovação é importante. O que ocorre é que muitas vezes o paciente não tem tempo para fazer essas três escovações de forma minuciosa, nesse caso dê preferência à noturna, pois é o período onde o alimento ficará mais tempo acumulado nos dentes e tecidos bucais já que o paciente estará dormindo e com uma diminuição do fluxo salivar que ajuda na limpeza.

13 – Chá verde escurece os dentes? Verdade

O consumo regular de chá verde, ou qualquer outro chá, assim como café, refrigerantes a base de cola, ou qualquer alimento com muito corante, vai provocar um escurecimento mais rápido dos dentes. O clareamento dental pode ser utilizado para devolver o branco dos dentes e durante o processo esse tipo de alimento ou bebida deve ser evitado.

14 – Cigarro causa gengivite? Verdade

O cigarro causa inúmeros problemas de saúde, e com certeza a gengivite está entre eles, o aumento da temperatura bucal causado pelo cigarro, unido com os produtos químicos de seus componentes causam uma inflamação dos tecidos bucais, entre eles a gengiva, e a cronicidade do processo leva a gengivite, mas talvez o pior problema bucal causado pelo cigarro é o câncer bucal.

Posted in da Boca, do Dentes, Mentira, Mentiras, Mitos, Saúde, Verdade, Verdades at dezembro 10th, 2012. 3 Comments.

Cirurgia plástica

Seja por estética ou para corrigir malformações, a busca pelo corpo perfeito tem levado muitas pessoas a recorrerem à cirurgia plástica. Esse tipo de intervenção está relacionado ao bem-estar social e emocional, pois quando a plástica é feita para resolver problemas estéticos ou reparadores, ela reflete diretamente no bem-estar do paciente, melhorando a sua autoestima.

De acordo com a cirurgiã plástica Ana Paula Polato Guiné (CRM-87. 718), o desejo de mudar algo que não agrade no corpo motiva o brasileiro a procurar cada vez mais procedimentos cirúrgicos. “Uma das primeiras coisas que as pessoas notam após uma cirurgia plástica é que seus corpos parecem mais proporcionais ou equilibrados. O intuito da cirurgia é a busca pelo contorno corporal,”, explica a cirurgiã. Segundo com uma pesquisa feita pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP), só no ano passado 400 mil brasileiras, das quais 60 mil têm menos de 30 anos, implantaram silicone nos seios ou eliminaram gordura de algum ponto do corpo.

“A insatisfação com o corpo e o medo da velhice são os principais motivos que levam as pessoas ao centro cirúrgico. Entre os procedimentos estéticos, o mais procurado é a cirurgia de mama (levando em conta aumento, redução e lifting mamário), seguido pela cirurgia de lipoaspiração, ressalta a cirurgiã plástica.

Antes de submeter a uma cirurgia plástica, a médica Ana Paula Polato Guiné explica qual é a finalidade de cada uma delas: Inclusão de Prótese Mamária de Silicone: É indicada para quem deseja aumentar o tamanho das mamas. Indiretamente, a inclusão das próteses contribui para deixá-las mais firmes e com os contornos mais bonitos e interessantes.

Cirurgia plástica do Abdômen: Recomendada para mulheres que já tiveram filhos ou passaram por grandes emagrecimentos e têm excesso de pele, na região do abdômen.

Cirurgia Plástica do Nariz: Indicada para quem não está contente com o formato ou o tamanho do seu nariz, realizando mudanças específicas, mas mantendo o padrão individual.

Cirurgia Plástica das Pálpebras: Utilizada para melhorar o famoso “olhar cansado”, retirando o excesso de pele e as “bolsas de gordura” das pálpebras.

Cirurgia Plástica de redução e Levantamento das Mamas: Aconselhada para quem tem mamas grandes ou somente caídas. Realiza a retirada de pele e/ou tecido mamário e o reposicionamento das aréolas.

Cirurgia Estética do Contorno Corporal Pós- Emagrecimento: Ideal para quem perdeu muito peso e tem excesso de pele retirada no abômen, mamas, braços e/ou coxas.

Lipoaspiração: A lipoaspiração tem a finalidade de melhorar o contorno do corpo, não é uma cirurgia de emagrecimento.

Cirurgia Plástica de Orelhas: A sua finalidade é corrigir as famosas “orelhas de abano”

Cirurgia Plástica da Face: Para quem tem rugas em excesso e flacidez na pele do rosto. Pode ser realizada com pequenas incisões (Mini-Lifting) ou com a Ritidoplastia completa, dependendo de cada indicação.

Cirurgia Plástica Íntima: Serve para melhorar a autoestima e o bem-estar das mulheres insatisfeitas com o aspecto estético da genitália.

Para esclarecer algumas duvidas de pacientes que desejam fazer algum tipo de cirurgia plástica, a cirurgiã plástica Ana Paula Polato Guiné (CRM- 87.718), expõe 25 questões sobre o que é mito e verdade:

1-A cirurgia plástica não deixa cicatriz?

MitoA partir do momento que se realiza um corte, presente em TODA cirurgia, é formado uma cicatriz pelo corpo, que NUNCA desaparece. Não há fórmula secreta para amenizar o aparecimento das cicatrizes, e a cirurgia plástica procura deixa-las o menor possível e tentar esconder ao máximo para que fiquem discretas.

2- A cirurgia plástica emagrece?

MitoA cirurgia plástica não emagrece, apenas melhora o contorno corporal. Pacientes que desejam emagrecer devem fazer essa escolha antes da cirurgia, para que o resultado seja o melhor possível.

3- É possível engrossar as pernas com silicone?

VerdadeAs próteses para o implante de silicone nas pernas coxas e panturrilhas são do mesmo material das próteses de mama. É possível fazer o implante nessas áreas do corpo.

4- Mulheres que acabaram de dar a luz podem fazer plástica?

MitoO ideal é a futura mãe aguarde cinco meses após o parto e mais três depois da interrupção da amamentação. O correto é operar a paciente cerca de nove meses após o nascimento da criança.

5- Cirurgia plástica também se faz nos órgãos sexuais?

VerdadeÉ muito comum as mulheres solicitarem a diminuição dos pequenos lábios (ninfoplastia) e o aumento dos grandes lábios (com enxerto de gordura). Estes procedimentos dão um aspecto jovial à área que se modifica com a idade, principalmente após a gestação.

Lipoaspiração: Mito X Verdade:

6- A lipoaspiração a laser proporciona um pós-operatório mais rápido?

MitoA finalidade do laser é auxiliar na perfuração da gordura e facilitar o trabalho do cirurgião. O pós-operatório pode variar a cada paciente. Ainda não existe uma cirurgia plástica que não deixe o corpo inchado.

7- A vibrolipoaspiração com cânula vibratória é mais segura que a cirurgia tradicional?

MitoQualquer tipo de lipoaspiração pode apresentar um risco para o paciente, enquanto todos os tipos de lipoaspiração são seguros igualmente, quando bem indicados. A diferença da vibrolipo para a lipoaspiração convencional é que ela é menos cansativa para o médico e a agressividade do movimento é menor, o que, indiretamente pode aumentar sua segurança.

8- Usar cânulas descartáveis durante a cirurgia de lipoaspiração elimina os riscos do paciente pegar uma infecção?

MitoAs cânulas descartáveis devem ser esterilizadas antes da cirurgia para aumentar a segurança do paciente. Esse processo pode amenizar os riscos, mas não elimina a possibilidade de ocorrer uma infecção, inerente a qualquer procedimento cirúrgico.

9- A lipoaspiração pode sumir com a celulite?

MitoSe a pele é flácida pode até haver uma piora, principalmente se a celulite estiver associada á flacidez.

10- A minilipo é mais perigosa?

VerdadeA minilipo, quando realizada fora do ambiente hospitalar, geralmente é feita, sem condições adequadas de antissepsia, sem anestesista, ou monitorização. A indicação correta de minilipo é quando a região a ser tratada é pequena, em ambiente hospitalar e com acompanhamento de um anestesista.

11- O resultado da lipoaspiração só pode ser conferido após seis meses?

VerdadeLogo após a lipoaspiração o corpo fica inchado o que dificulta notar o resultado. A pele ainda não se acomodou e pode haver a presença de alguns nódulos e hematomas. Para conferir o resultado, o ideal é esperar até seis meses, pois antes disso podem ocorrer pequenas modificações.

12- Depois da lipoaspiração, o volume na região aspirada não volta mais?

VerdadeDepois que as células adiposas são retiradas elas não se formam novamente. Estas células podem aumentar de tamanho se houver um ganho retirado de peso. É recomendado fazer lipoaspiração para tratar as gorduras localizadas, pois o resultado pode ser definitivo. Um culote aspirado não volta mais, mesmo com o aumento de peso.

13- Há um limite para a quantidade de gordura a ser retirada?

VerdadePara garantir que a cirurgia seja um sucesso e diminuir grandemente o risco de morte, o correto é não exceder o limite de 7% do peso corporal e 40% da superfície corporal.

14- A gordura enxertada vai ser toda absorvida em algum tempo?

MitoCada caso é diferente. Em geral, existe a absorção de apenas parte da gordura enxertada. Esta absorção é de 30% a 40%. Alguns pacientes podem ter uma absorção bem próxima ao total.

15- Fazer lipoaspiração pela segunda vez é mais difícil que na primeira?

Verdade Quando a cirurgia é feita pela segunda ou terceira vez, em uma mesma região, há traves fibrosas naquele tecido gorduroso e muitos vasos sanguíneos neoformados, o que dificulta a execução do procedimento e aumenta a chance de fibrose (nódulos endurecidos) pós-operatória.

Silicone: Mitos X Verdades:

16- As próteses de silicone nas mamas prejudica a amamentação?

MitoO silicone não interfere na amamentação. As próteses também não interferem na produção ou excreção do leite.

17- Caso a pessoa sofra um impacto muito forte, a prótese pode romper?

MitoAs próteses de seios e nádegas são feitas de gel coeso e podem ser cortadas como uma gelatina. Mesmo assim, o conteúdo não escorre.

18- A paciente pode pedir ao médico o tamanho de prótese que ela quiser?

MitoAntes de mais nada a paciente deve ter pele suficiente para a inclusão do tamanho desejado, ou seja, a prótese deve caber. Além disso, o bom senso deve prevalecer. Cabe a ambos avaliar as proporções físicas para saber se o resultado final vai ser satisfatório ou não. Antes de escolher a quantidade exata é necessário observar o tamanho do tronco, a circunferência das costas, a distância entre o pescoço e os seios, o tamanho atual das mamas e a compleição física da paciente.

19 -Depois de colocar silicone a mulher perde a sensibilidade nos seios?

MitoÉ comum ter a sensibilidade alterada, principalmente na região dos mamilos, depois da cirurgia e nos três meses seguintes. Mas, gradualmente, a paciente deve recuperar a sensibilidade. São raros os casos onde a perda de sensibilidade é permanente.

20- A prótese de silicone nos seios precisa ser trocada a cada dez anos?

MitoNão há essa necessidade. A prótese deve ser examinada com frequência e, caso tenha se mantido intacta, não há necessidade de trocar.

21- Existe alguma idade ideal para realizar o implante de silicone nos seios?

VerdadeA cirurgia só poderá ser realizada após a passagem da puberdade, quando o corpo já está completamente formado. Normalmente essa idade está relacionada à primeira menstruação, sendo recomendado esperar o mínimo de 3 anos após esse acontecimento. Além disso, a maturidade da adolescente deve ser levada em conta.

22- O implante de silicone é uma cirurgia segura?

VerdadeA segurança e o alto índice de satisfação das pacientes é o que faz com que seja uma das cirurgias plásticas mais procuradas hoje em dia.

23- Cirurgia plástica na barriga só se faz quando há sobra de pele na região, não é para emagrecer.

VerdadeNenhuma cirurgia plástica serve para emagrecer. Apenas para melhorar o aspecto do corpo. Pode-se aspirar à gordura localizada e retirar o excesso de pele, o que melhorará o contorno corporal.

24 – A cirurgia da face (facelifting) torna o paciente mais bonito?

MitoEla apenas dá um aspecto mais descansado ao rosto. É importante o uso posterior de peelings, toxina botulínica, preenchimentos para alcançar um melhor resultado.

25 – Cirurgia plástica dura para sempre.

Mito Tanto a face quanto o corpo sofrem as mudanças relacionadas às exposições ao ambiente, à gravidade, características individuais como tipo de pele, genética, etc. A cirurgia plástica não congela o tempo.

Vai fazer cirurgia plástica? Então, preste atenção na hora de escolher o seu cirurgião plástico. Converse bastante com seus familiares ou com pessoas que já se submeteram a intervenção cirúrgica. Verifique se o médico escolhido é membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (www.sbcp.org.br) e procure um profissional com o qual sinta empatia e segurança. O preço é importante, mas deve vir no final de sua lista de prioridades.[www.polatoplastica.com.br].

Posted in Medicina, Mentira, Mentiras, Mitos, Saúde, Verdade, Verdades at novembro 2nd, 2012. No Comments.

Obesidade infantil – Verdades e mentiras!!!

É comum que os pais tenham dúvidas sobre como agir para estimular que os filhos desenvolvam hábitos saudáveis. Muitas vezes, o apego à sabedoria popular é grande e tomar algumas decisões sem ter a confirmação de um especialista pode custar caro. Para esclarecer incertezas sobre obesidade infantil, a endocrinologista Cintia Cercato, da Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica, responde o que é mito e o que é verdade sobre o tema. Confira:

“Sou obeso. Meu filho tem mais chances de também ser”

Verdade. Se um dos pais é obeso a criança tem 40% de chance de desenvolver o problema. Se os dois pais, a probabilidade cresce para 80%.

“Bebê saudável é bebê gordinho”

Mito. Os problemas do excesso de peso são uma realidade em qualquer idade. Estudos mostram que placas de gordura se formam nas artérias desde a infância.

“Toda criança obesa será um adulto obeso”

Mito. Há muita probabilidade, mas esse risco aumenta em idades maiores. Crianças menores, se tiverem os hábitos modificados desde cedo, podem evitar que o problema se estenda até a vida adulta.

“Emagrecer é apenas uma questão de força de vontade”

Mito. A fisiopatologia da obesidade é complexa e envolve vários fatores como a genética. Em casos extremo,s pode ser necessário tratamento com medicamentos.

“Toda criança obesa ingere grandes quantidades de comida”

Mito. Mas ingere mais do que ela precisa. Existem pessoas com metabolismo lento ou maior facilidade de estocar gordura.

“Para meu filho emagrecer, preciso cortar os carboidratos e doces da alimentação”

Mito. As crianças podem emagrecer comendo de tudo, mas é preciso ter um padrão alimentar saudável e guloseimas podem ser consumidas eventualmente com moderação.

“Jogos eletrônicos, como wii, ajudam a queimar calorias”

Verdade. Wii não é a mesma coisa que praticar esporte, mas certamente é bem melhor do que o sedentarismo da criança na frente de TV, computadores e outros jogos eletrônicos.

“O ganho de gordura de uma criança até os 4 anos de idade tende a determina se ela será um adulto obeso”

Verdade. Nesta fase, ocorre aumento do número de células de gordura, mas se os hábitos forem modificados precocemente pode-se evitar a obesidade na idade adulta.

“Criança não pode fazer musculação”

Verdade. Idealmente, a musculação deve ser indicada após os 15 anos de idade, quando o ganho de altura está completo.

“Criança não pode fazer dieta”

Mito. Criança pode fazer dieta, mas não precisa ser uma dieta chata em que não se pode comer nada. O certo é ensinar a comer de tudo com moderação. Na minha opinião, a melhor dieta para crianças e adolescentes é a dos pontos.

 

Posted in Doenças, Mentiras, Mitos, Obesidade Infantil, Verdades at junho 8th, 2012. No Comments.

Dentes – Mitos e verdades sobre o tratamento de canal

Quando o assunto é tratamento odontológico quase sempre a reação provocada é medo. Esse receio já faz parte da história da odontologia e não é diferente quando o problema é tratamento de canal. Tecnicamente nomeada de Endodontia, a especialidade é uma das mais procuradas na atualidade. O tratamento de canal é necessário quando a polpa dentária é atingida e geralmente acontece quando existe processo avançado de cárie. Problemas dentários repetidos, trincas e fraturas também podem ocasionar danos à polpa dentária. O procedimento consiste na remoção da polpa, composta por nervos e vasos presentes no interior do dente, e sua substituição por uma pasta obturadora compatível, em dentes de leite, e por cones de um material chamado guta percha (semelhante à borracha) em dentes permanentes.

O método pode salvar muitos dentes que no passado eram condenados à extração. “Esse procedimento pode ser rápido, principalmente se o dente não estiver infectado, ou seja, sem a presença de bactérias no local. Já quando existe pus, hemorragia ou tumefação, os tratamentos podem durar duas ou mais consultas”, explica o Dr. Thiago Vitelli Vasco dos Santos, especialista em Endodontia da Odontoclinic.


A cárie dentária é a principal causa do problema, que nos casos agudos provoca dor incessante, mesmo com o uso de analgésicos.

Principais sintomas

Diversos são os sinais que podem indicar a presença de problemas endodônticos. Esses indícios geralmente são acompanhados de dor persistente, que pode ser espontânea ou ocasionada por estímulos (como, por exemplo, ao beber água gelada). Essa dor geralmente não cessa nem com o uso de analgésicos. Dificuldade de mastigação e sensação de aumento da pressão dentro do dente também são sintomas comuns. No entanto, casos em que a pessoa convive com o problema sem nenhum sintoma aparente também existem, sendo necessária a realização de radiografias para detectar o problema.

A ausência de tratamento pode levar a dores no local, inchaços, abscessos, problemas sistêmicos e até a perda do dente. “Muitas são as justificativas que impedem as pessoas de procurar o tratamento adequado. O medo de sentir dor faz com que a pessoa opte pela extração do que por tratar o canal em dentes que poderiam facilmente ser salvos. É uma pena”, completa o especialista da Odontoclinic.

Tratamento – Com o uso de anestesia o tratamento de canal é, na maioria dos casos, indolor. Pode haver certo desconforto, o que é normal em um tratamento endodontico, pela neces

sidade de manter a boca aberta por um longo período de tempo. É feito em várias etapas, dependendo do caso. Primeiramente, é realizada a abertura no dente e, em seguida, é feita a remoção da polpa inflamada (pulpectomia). O espaço pulpar e os canais são esvaziados, alargados e limados, em preparação para o seu preenchimento com cones biocompativeis chamado de guta-percha. “Em caso de dentes infeccionados é realizado um procedimento chamado de penetração desinfectante, onde visa eliminar os microorganismos, dentro do canal com uso de hipoclorito de sódio, sendo em seguida realizado o alargamento e a limagem dos canais. Nos casos em que se faz necessária mais do que uma visita, é colocada uma restauração temporária na abertura da coroa, a fim de proteger o dente no intervalo das visitas”, explica Dr. Thiago Vitelli Vasco dos Santos.

O passo seguinte é o preenchimento permanente da cavidade da polpa e canal. Um material em forma de cone (flexível) é inserido em cada um dos canais e geralmente selado em posição com um cimento apropriado. Em alguns casos um pino de fibra de vidro ou metal é colocado no canal para se conseguir maior resistência. Somente são colocados pinos metalicos ou de fibra de vidro, se ha necessidade ou indicação de realizar protese sobre o elemento. A etapa final consiste na colocação de uma coroa sobre o dente para lhe conferir uma aparência natural.

Como evitar – De acordo com o especialista, o principal fator que leva ao tratamento de canal é a presença de processos avançados de cáries. Por isso a importância de uma boa assepsia bucal. “Por natureza, a boca humana abriga cerca de 560 espécies de microorganismos, mas com uma boa higiene eles não chegam a incomodar. Já a má escovação faz com que esses microorganismos se multipliquem causando cáries e placa dentária”, ressalta o especialista. É fundamental a escovação dos dentes três vezes ao dia usando um creme dental com flúor para remoção da placa bacteriana. Esse cuidado, além de evitar cáries também evita outros problemas como a gengivite. Usar fio dental diariamente também é importante para remover a placa bacteriana que se instala entre os dentes e sob a gengiva. Quando a placa não é retirada ela endurece e dá origem ao tártaro, ou cálculo dental, este só pode ser removido pelo dentista.

O especialista em Endodontia da Odontoclinic, Dr. Thiago Vitelli Vasco dos Santos, destaca abaixo alguns mitos e esclarece verdades sobre tratamentos de canal:

Mito: Tratamento de canal enfraquece os dentes.

Verdade: O dente que foi submetido ao tratamento de canal é considerado desvitalizado, o paciente nunca mais deve sentir dor ou sensibilidade ao quente e frio neste elemento.

Verdade: O tratamento de canal consiste na remoção da polpa dental, uma estrutura viva que contém, entre outros elementos, nervos e vasos sangüíneos. No entanto, externamente, o dente é envolvido pelos ligamentos periodontais, um ligamento vivo que permite que o dente continue a executar suas funções sem nenhuma perda ou dano.

Verdade: O dente que necessita de um tratamento de canal se encontra enfraquecido pela perda da estrutura dental, causada, geralmente, pela cárie profunda.

Mito: Para o tratamento de canal são necessários muitos dias.

Verdade: O tratamento de canal pode ser realizado em poucas consultas, principalmente se o dente não estiver infectado, ou seja, sem a presença de bactérias no local. Quando existe presença de pus, hemorragia ou tumefação, os tratamentos exigem maior número de consultas.

Sobre a Odontoclinic – Fundada em 1997, a Odontoclinic é a maior rede de franquias de odontologia em atuação no País. Em 2002, adotou o sistema de franchising – atualmente conta com 140 franquias e quatro unidades próprias. A projeção é de totalizar 500 clínicas em todo o Brasil até 2016. A companhia conta com todos os tipos de tratamentos na área da Odontologia, como Ortodontia, Clínica Geral, Endodontia, Periodontia, Cirurgia Oral Menor, Odontopediatria, Prótese e Implante.

Posted in Mentira, Mentiras, Mitos, Verdade, Verdades at março 21st, 2012. 44 Comments.

Devemos mastigar muito a comida?

Sim. Verdade, com ressalvas

Claro que mastigar bem é importante, mas há opiniões diversas sobre a intensidade ideal da mastigação. Segundo o gastroenterologista Thomas Szegö, com a mastigação intensa o alimento começa a ser digerido na boca e forma uma pasta que chega pronta ao estômago, facilitando a digestão. “Quando comemos com calma, damos tempo para o organismo assimilar os nutrientes.

Quem come rápido, ao fim da refeição, sente-se empanturrado”, diz ele. Para os orientais, comer com tranqüilidade é ingrediente importante para o bem-estar espiritual. “Mastigar várias vezes nos ensina a fazer as coisas com mais vagar e pode transformar a refeição num momento de meditação”, diz Brígida Fries, da Brahma Kumaris, organização indiana voltada à qualidade de vida e espiritualidade. Outros adeptos da boa mastigação são os macrobióticos, que em cada garfada mastigam pelo menos 30 vezes, acreditando que assim auxiliam a digestão e diminuem o estresse. Segundo Marly Winckler, coordenadora da União Vegetariana Internacional, “a mastigação é importante, mas é desnecessário contar quantas vezes fazemos isso”.

Um ponto de vista radical é narrado pelo guru russo Gurdjieff, em Encontros com Homens Notáveis (Pensamento), quando um mestre dervixe o orienta a não mastigar a comida com tanto cuidado, pois isso poderia reduzir o trabalho do estômago, tornando o órgão “preguiçoso”. É de se pensar…

Posted in Depende, Verdade, Verdades at novembro 16th, 2010. 1 Comment.