Detenta dá de mamar ao filho através das grades? Verdade Ou Mentira?

Será que a foto mostrando uma presa brasileira amamentando um bebê através das grades da cadeia é verdadeira ou mais uma montagem na web?

A imagem se espalhou através das redes sociais e em diversos sites e blogs no final de março de 2017. Nela podemos ver uma mulher amamentando um neném através de um dos vãos das grades de uma cadeia!

O texto que acompanha a imagem afirma que o caso estaria acontecendo com frequência no Brasil. Enquanto a esposa do ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral foi solta para cuidar dos filhos menores de idade, outras detentas estariam amamentam seus bebês pela grade, diz o texto!

O alerta ainda pede para que isso seja compartilhado para mostrar a todos como a desigualdade do judiciário estaria imperando no Brasil.

Será que isso é verdade mesmo?

Verdade ou Mentira?
O direito à amamentação é previsto por lei na Constituição Federal, na Lei de Execução Penal e no Estatuto da Criança e do Adolescente
A Constituição Federal Brasileira (art. 5º, L) determina que as presidiárias devem permanecer com seus filhos durante seis meses para amamentação.

A Lei de Execução Penal (LEPl) que trata sobre o ambiente prisional feminino no artigo 83, determina que a prisão feminina tenha berçários para a amamentação.

O Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) também obriga ao poder público, às instituições e aos empregadores que sejam providenciadas condições favoráveis ao aleitamento materno (artigo 9).

É claro que nem todo mundo segue à risca a Lei, como denunciado em 2014 pelo IG, mas o fato é que essa imagem é real, mas o caso não aconteceu aqui no Brasil!

De acordo com publicações em língua espanhola, a presa Ruth Abigail Núñez teve que alimentar sua filha Aluhé de 4 meses na cadeia de uma delegacia em Buenos Aires (Argentina). O fato ocorreu em janeiro de 2015!

Conclusão:
A foto da mulher amamentando um bebê através das grades da prisão é real, mas o fato aconteceu em 2015 na Argentina!

Leave a Reply

* (Obrigatório)