Verdade ou Mentira: “Não Pode Colocar Comida Quente Na Geladeira”

Quantas vezes você já se pegou encarando aquela panela de feijão quente em cima do fogão e refletindo: será que vai azedar se eu deixar aqui? Se colocar na geladeira, agora, estrago o eletrodoméstico ou estrago a comida? Gasta muita energia se eu fizer isso? Oh… e agora, quem poderá nos ajudar?
Dessa vez não, pequeno polegar. Para acabar de vez com estas inquietações, fomos conversar com quem realmente entende do assunto. A engenheira de alimentos e coordenadora do curso de nutrição do Centro Universitário Central Paulista, Cíntia Matiucce, afirma que:
“O MELHOR É GUARDAR A COMIDA AINDA QUENTE.”

Quanto mais tempo você deixar o alimento fora da geladeira, mais chances ele tem de se contaminar. Comida pronta só pode ficar fora de refrigeração por no máximo 2 horas. Em dias muito quentes, esse tempo deve ser de no máximo uma hora.  A maioria dos micro-organismos, inclusive os patogênicos (que causam mal à saúde), se proliferam na faixa da temperatura ambiente. Por isso, não se preocupe, colocar a comida ainda quente na geladeira não vai estragar o rango. Pelo contrário.

E QUAL A MELHOR FORMA DE ARMAZENAR OS ALIMENTOS REFRIGERADOS?

verdade-ou-mentira-não-pode-colocar-comida-quente-na-geladeira-01

Segundo a especialista, a melhor coisa é dividir em pequenas porções, garantindo que o alimento pronto refrigere mais rápido. O ideal seria tirar a comida da panela onde foi preparada e acondicionar em potes de vidro que devem ser adequadamente fechados. O site da Super Interessante ainda alerta, é melhor evitar panelas de ferro, principalmente sem tampa. Se a comida tiver amido (arroz, feijão, batata,…) ela pode gelatinar, por conta da perda excessiva de umidade. E o ferro (ou alumínio) transfere elementos de sua composição para o alimento, quando estocados, podendo gerar contaminação.
O OUTRO LADO DA MOEDA

verdade-ou-mentira-não-pode-colocar-comida-quente-na-geladeira-02

Se você é daqueles que lê manuais de instruções, já reparou que no da sua geladeira vem a recomendação de não colocar alimentos e bebidas quentes dentro dela para evitar um consumo maior de energia. Mas não se preocupe, não estamos falando de “milhões” a mais. Os centavos extras na conta de luz vão depender, é claro, da sua geladeira (as mais antigas tendem a gastar mais energia), uma boa dica é ficar atento na hora da compra e sempre optar pelos modelos com selo PROCEL (Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica) A e B, que são mais econômicos.

Posted in Saúde at novembro 26th, 2015. No Comments.

Alimentos enlatados – Mitos – Não causam botulismo, são saudáveis, seguros e podem ser consumidos

Todos conhecem mitos sobre os mais diversos assuntos, pois é inerente ao ser humano difundir estas histórias, muitas vezes fruto de crenças populares. Com a alimentação não é diferente. Por isso a Associação Brasileira de Embalagem de Aço (Abeaço) desmistifica os principais mitos que envolvem os alimentos enlatados. Provavelmente você já ouviu que alimentos em lata causam botulismo, mentira. O bolutilismo nada tem a ver com a embalagem. É uma forma de intoxicação alimentar rara mas potencialmente fatal, causada por uma toxina produzida pela bactéria Clostridium botulinum, presente no solo e em alimentos contaminadose mal conservados. “A causa desse tipo de intoxicação está diremente relacionada ao processamento do alimento e como principal causador temos as conservas caseiras”, afirma Thaís Fagury, engenheira de alimentos e gerente executiva da Associação Brasileira de Embalagem de Aço (Abeaço). É importante ressaltar que as conservas artesanais nunca são embaladas em lata de aço, pois o aço requer processo industrial sofisticado.

E quanto ao risco que dos enlatados para a saúde?

Outro mito. Os alimentos envasados em latas de aço não só são saudáveis como, em alguns casos, têm mais valor nutricional que seu equivalente in natura. A lata preserva naturalmente todas as propriedades dos alimentos, sem necessidade de conservantes ou aditivos químicos. O sabor, as vitaminas, os nutrientes, as proteínas e tudo que existe de saudável são mantidos e o alimento continua fresquinho e saboroso. Além disso, seu processo de fabricação destrói os micro-organismos e elimina em 99% os resíduos de pesticidas. E se você quiser ainda mais para saúde, aproveite todo o líquido da latinha, pois ele guarda grande parte dos nutrientes dos alimentos. Outra dúvida recorrente é se a lata de aço realmente protege os produtos. A latinha de aço impede o contato dos alimentos com a luz e o oxigênio que deterioram algumas propriedades dos alimentos, acelerando reações químicas e alterando, por exemplo, sua cor e consistência. “Por isso, embalagens transparentes podem necessitar da adição de conservantes químicos, o que não acontece com os enlatados, que ficam totalmente protegidos”, explica Thais. Mesmo se a lata estiver amassada não há problema algum em consumir o alimento, pois as embalagens são revestidas por uma película protetora que resiste a deformações. Porém não devemos consumir latas perfuradas ou estufadas.

Posted in Padão at setembro 17th, 2012. No Comments.

Frango tem hormônio? – O excesso de agrotóxicos que as aves consomem podem transformá-los em um alimento cancerígeno?

Transgênicos, orgânicos e funcionais. Você sabe o que significam cada uma dessas classificações? O certo é que já foi comprovado por cientistas que somos o que comemos, e daí a importância de se saber como cada um desses tipos de alimentos agem no organismo humano. Antônio Gilberto Bertechini, zootecnista e professor da Universidade Federal de Lavras, foi o centro do Roda Viva no dia 9 de julho e falou sobre o assunto.

Os mitos da nutrição de aves para produção de carne e ovos e a relação da alimentação com a saúde foram o ponto central do debate. O mito do colesterol no ovo e a concentração de selênio nos alimentos e no soro humano também foram abordados.

O especialista destaca que a população consegue manter uma alimentação mais regrada nos dias de hoje e revela o aumento de cerca de 50% no consumo carnes. “Nós podemos dizer que o povo brasileiro vem se alimentando muito bem nos últimos 20 anos e de forma um pouco mais regrada em algumas áreas, mas desregradas em outras. Só para se ter uma ideia, há 20 anos atrás o brasileiro consumia de 15 a 16 kg de frango por ano. Hoje, o brasileiro está consumindo 47 kg”. O que resultou nesse aumento foi o maior poder aquisitivo da população, a mudança nos tipos de alimentos e da qualidade dos produtos oferecidos no mercado. “A nossas carnes são rastreadas, produzidas com alta tecnologia, de altíssima qualidade nutricional. Vemos como um todo uma redução da mortalidade e um aumento da longevidade do brasileiro”.

Mito ou verdade? O excesso de agrotóxicos que os frangos consomem podem transformá-los em um alimento cancerígeno? “Esse é um mito que consideramos um mito da ignorância, porque a qualidade de carne de frango brasileira é a melhor do mundo, pois se utiliza toda a rastreabilidade da produção”. Bertechini explica que o câncer é multifatorial, o que significa que não é causado por um tipo de carne consumida. Segundo o especialista, o animal é produzido com basicamente milho e farelo de soja. Mas ele ainda destaca que a qualidade do produto também decorre de um trabalho de melhoramento genético, interversão repudiada por especialistas naturalistas. O frango que antes da mutação genética continha cerca de 700gr de peito, uma quantia bem inferior aos 1,2 kg após a interversão.

O professor também revela que a história do hormônio na carne é um outro mito dos alimentos. “Não existe hormônio em carne de frango e não se usa o hormônio. E não é porque a avicultura é boazinha não, porque se funcionasse as indústrias usariam para acelerar mais o crescimento da ave. Mas não usam porque não funciona”.

Apresentado pelo jornalista Mario Sergio Conti, o Roda Viva contou, para esta edição, com uma bancada formada por André Murad (oncologista); Alexandre Mansur (editor de tecnologia e ciência da revista Época); Lúcia Helena de Oliveira (diretora do título Saúde e do Movimento Emagreça Brasil, da editora Abril); Tobias Ferraz (repórter agropecuário e âncora do canal Terraviva, do grupo Bandeirantes); Ana Maria Pita Lottenberg (nutricionista da disciplina de Endocrinologia da Faculdade de Medicina da USP). O Roda Viva também teve a participação do cartunista Paulo Caruso.

Posted in Animais, Frangos at julho 11th, 2012. No Comments.

É verdade ou Mentira: quem não sente cheiro também não sente sabor?

É bastante popular a crença de que quem não consegue sentir o cheiro dos alimentos também não consegue sentir o sabor deles. Provavelmente, essa ideia tenha se tornado tão popular porque, quando estamos resfriados e com o nariz entupido, não somos capazes de saborear as comidas da mesma forma.

Faz sentido. O olfato e o sabor estão intimamente relacionados. A experiência — agradável ou não — de comer é o resultado de uma combinação entre os dois. Quando sentimos o cheiro de algum alimento, os nervos que se encontram no nosso nariz enviam sinais ao cérebro que, por sua vez, fazem com que as papilas gustativas presentes na língua reajam ao estímulo.

Mas será que é verdade?

Stacy Conradt, uma jovem que sofre de anosmia — perda total do olfato —, escreveu um artigo bem curioso para o site Mental Floss, contando como é a experiência de saborear alimentos quando não se pode sentir o cheiro de absolutamente nada.

Stacy conta que ela consegue sentir o sabor das comidas que consome, mas que sempre opta por aquelas com os sabores mais pronunciados. A jovem diz que nunca encontrou nada que seja doce demais, por exemplo, e que adora comidas apimentadas e cheias de especiarias. Por outro lado, ela se diz incapaz de diferenciar sabores que sejam mais suaves ou muito específicos.

Portanto, não sentir o cheiro de nada não significa que é impossível sentir o sabor dos alimentos, mas sim que é extremamente difícil diferenciar gostos específicos e que — infelizmente — a experiência de provas as comidas acaba sendo um pouco prejudicada.

 

Posted in Padão at junho 1st, 2012. No Comments.

Jejum faz mal para o estômago?

Não. Mentira

Jejuar não causa nenhum problema para o estômago”, afirma o gastroenterologista LuizC hehter, da Escola Paulista de Medicina.

Na medida em que a pessoa deixa de estimular o estômago com alimentos, o órgão entra numa espécie de dormência e praticamente pára a produção de ácidos que poderiam, sim, provocar problemas. Embora não seja opinião unânime entre os médicos, alguns especialistas afirmam que a prática do jejum traz, pelo contrário, uma série de benefícios.

Ao deixar de ingerir alimentos por um período de 24 horas, proporcionaríamos um descanso ao aparelho digestivo e ao organismo em geral. Além disso, o jejum promove uma sensação de bem-estar por estar associado a práticas meditativas e orações. Pode, ainda, aumentar nossa determinação e autodisciplina, pois durante o jejum somos obrigados a exercer um forte controle mental.

Não se pode esquecer que, desde a Antiguidade, o jejum tem sido praticado por diversos povos como meio de purificação do corpo e da alma. Na Índia, os praticantes da medicina ayurvédica adotam a abstinência alimentar como forma de desintoxicar o organismo. Os especialistas advertem, no entanto, para certos cuidados que devem ser tomados ao fim do período de jejum. “A pessoa deve adotar uma dieta leve, com ingestão de pequena quantidade de gordura para, aí sim, evitar problemas digestivos”, afirma Luiz Chehter.

Posted in Mentira, Mitos at novembro 15th, 2010. 1 Comment.

Verdade ou mentira – Comer chocolate dar espinhas

Poucos alimentos geram tanta culpa quanto essa deliciosa mescla de cacau e açúcar. Mas não há motivo para tanto sofrimento.
É verdade que, consumida em excesso, a iguaria pode engordar. Mas não é o caso de culpá-la pelas desagradáveis espinhas que insistem em pipocar no seu rosto. “ não está comprovado que chocolate causa acne”, diz a médica dermatologista Márcia Oliveira de Miranda, de Belo Horizonte.

Segundo ela, a doença ocorre por uma predisposição genética que costuma se manisfestar na adolêscencia, quando os hormônios estão em polvorosa. O problema começa com o entupimento do folículo piloso, onde crescem os pelos. Basctérias proliferam, o local inflama e a denada da espinha aparece. Segundo a médica, fatores como ansiedade e estresse podem agravar o quadro, por que estimulam a glândula sebácea a produzir mais óleo. Mas não há evidências da pele.

“Na prática, alguns pacientes observam que a acne piora quando comem certos alimentos. Mas isso não foi comprovado cientificamente”, diz.

Dietas ricas em glicose também estão na mira dos estudos, embora não haja nada conclusivo. Quando ao chocolate, o mais provável é que ele seja um bode expiatório. Pessoas ansiosas jogam a culpa nas caixas de bombons que comem, sem perceber que a ansiedade é que as deixou com cara de Chokito.

A acne surge por causa de fatores genéticos pode ser agravada pelo estresse: o chocolate é so um bode expiatório.

Posted in Padão at julho 29th, 2010. No Comments.

Verdade ou Mentira – Afrodisíacos funcionam?

Revista femininas e masculinas estão repletas de receitas infalíveis para enlouquecer o parceiro. “Saiba quais são os alimentos afrodisíacos que realmente funcionam”, dizem, listando alimentos que serviriam como estimulantes sexuais. Amendoim, catuaba, pimenta, ginseng, açafrão, espora  do passarinho quero-quero… a lista é interminável. E ínútil. Caso ainda tenha alguma dúvida a respeito, pode esquecer: afrodisíacos não funcionam. As reações a esses alimentos, quando existem, são puramente psicológicas.

A palavra afrodisíaco remete a Afrodite, a deusa grega do amor, que serviu de inspiração para alguns dos mitos que cercam alimentos e sexo. Como afrodite teria nascido no aceano, os frutos do mar ganharam uma aura de prazer: quem nunca ouviu fala no poder mágico das ostras? O historiador romano Plínio (23-79) chegou a enumerar as  receitas mais populares para restaurar o apetite sexual: folhas de mandrágora, alho triturado com coentro fresco… Diz a lenda que Cleópatra esfregava mel e amêndoas nas partes íntimas para excitar o imperador Marco Antônio.

Passaram-se milênios, mas as lendas persistem. ” O poder dos afrodisíacos se baseia mais em folclore que em ciências”, diz Meryl S. Rosofsky, professora de nutrição da Universidade de Nova York, em artigo publicado na Encyclopedia of Foods and Culture. ” A pimenta, por exemplo, acelera a pulsação e induz o suor, imitando o estado de excitação sexual  – o que é bem diferente de provocá-lo”, diz.

“Afrodisíacos não existem”, diz o sexólogo Gerson Lopes, coordenador do setor de Sexologia do Hospital Mater Dei, em Belo Horizonte. Isso não quer dizer que as pessoas não possam, eventualmente, sentir mais prazer ao consumir algum desses alimentos. ” Os afrodisíacos podem funcionar como um placebo, atingindo o objetivo por um efeito psicogênico.” Ou seja: a ostra não vai turbinar o seu desejo, mas sua autoconfiança pode aumentar se você acreditar nisso. Afinal, no reino da comida e do sexo, nada mais estimulante que a imaginação.

Fonte Superinteressante

Posted in Mentiras, Mitos, Padão at julho 22nd, 2010. No Comments.

Microondas causa câncer?

Quando se popularizou nos Estados Unidos, na década de 70, o microondas era apontado como a grande inovação na cozinha: servia para aquecer, cozinhar e descongelar os alimentos, de forma prática e bem mais rápida do que o forno e o fogão convencionais. Com o passar do tempo, diversas pesquisas científicas apontaram os riscos que o aparelho traria para a saúde, com problemas que vão desde o vazamento de radiação à perda de nutrientes da comida.

Segundo a nutricionista Bárbara Rodriguez, o ideal é usar o microondas o mínimo possível. “As moléculas dos alimentos não foram feitas para vibrar nos níveis impostos pelo cozimento com microondas. Isso tende a danificar os nutrientes mais delicados e eles perdem a capacidade de nutrir”, explica ela. “Além disso, existem estudos que afirmam que certos aminoácidos naturais podem assumir formas tóxicas quando expostos a esse tipo de cozimento”, complementa.

Recentemente, o guia do Environmental Working Group, uma organização de divulgação das informações referentes a saúde pública, condenou o uso de utensílios de plástico no microondas. “Toxinas cancerígenas podem vazar das bandejas plásticas, de papéis ou das películas plásticas dos alimentos feitos para serem preparados no microondas. E essas toxinas podem se misturar à sua comida”, afirma Bárbara Rodriguez.

Tânia Nigri, do Gávea Integral, é a favor do microondas. “Uso na loja, para aquecer as refeições antes de servir, e em casa, para esquentar e descongelar alimentos. Mas sempre deixo a comida em recipientes de vidro, nunca de plástico”, conta ela. “Não sou estudiosa do assunto, mas, pelo que sei, não há dados 100% concretos de que o microondas faça mal à saúde, desde que haja manutenção correta do aparelho”, diz Tânia.

Veja alguns cuidados que precisam ser tomados na hora de usar o microondas.

Vazamento – Para testar se há vazamento de radiação, deixe uma maçã em cima do aparelho enquanto usá-lo por um período mínimo de dois minutos. Caso a fruta cozinhe, o microondas precisa ser levado para manutenção.

Explosões – Recipientes de metal ou de louça com filetes dourados ou prateados não podem ser levados ao microondas. Eles refletem as ondas e podem causar explosões.

Furos – Alimentos com pele, casca ou membrana, como tomate, batata, salsicha e ovo, por exemplo, devem ser furados com um garfo ou palito antes de serem colocados no microondas. Do contrário, podem estourar dentro do aparelho ou na hora em que forem retirados para servir.

Líquidos – Tenha cuidado ao aquecer líquidos no microondas. Eles podem entrar em ebulição ao serem retirados do aparelho, espirrando para fora do recipiente em que estão e causando queimaduras.

Uso liberado – Papel, papelão, vidro, cerâmica e louças sem filetes de metal, desde que fabricados para esse fim, podem ser usados sem problemas no microondas. Esses materiais permitem a passagem das ondas.

Fonte GNT

Posted in Mentiras, Mitos, Verdades at março 19th, 2010. 21 Comments.