O que você precisa saber sobre a cerveja – 13 mitos e verdades sobre a bebida alcoólica mais consumida no país.

cerveja-mitos-e-verdades
Ela já foi tema de música, tem um dia só dela e sempre é usada como pretexto para reunir os amigos. Sim, estamos falando da cerveja – a bebida alcoólica mais consumida no país.
Toda primeira sexta-feira de agosto é comemorado no Brasil e em outros 50 países o Dia Internacional da Cerveja e, por isso, nada melhor do que usar a data para desmistificar alguns fatos sobre ela.

Esqueça, por exemplo, aquele mito de que cerveja pode dar barriga, pois pesquisas comprovam que quando bebida com moderação não dá.
Além disso, quando comparada com outras bebidas, principalmente as destiladas, ela é muito mais saudável e pode sim ser inserida a um estilo de vida balanceado.
Os mitos e verdades foram listados pelo beer sommelier Tulio Rodrigues, fundador da Beer Academy e professor da Fundação Getúlio Vargas na disciplina Administração dos Negócios da Cerveja.

Veja nas imagens 13 mitos e verdades sobre a cerveja que você precisa saber:

1 – Cerveja deitada gela mais rápido? Mito

De acordo com Tulio Rodrigues, a melhor posição para armazenar e gelar cervejas é de pé, “para que a superfície de contato do líquido com o ar seja menor”.
Além disso, o especialista alerta também que a cerveja deve ser resfriada gradualmente, ou seja, colocá-la no congelador, só se for um pouco antes de consumi-la.

2 – Cerveja não deve ser servida muito gelada? Verdade

Tulio explica que quando servida em baixíssima temperatura, a cerveja acaba anestesiando as papilas gustativas da língua, que fazem com que a sensibilidade para degustar a bebida seja perdida.
“O calor pede cervejas geladas, mas sem exageros”, afirma o beer sommelier.

3 – Cerveja dá barriga? Mito

Segundo Tulio, esse é o mito mais famoso que existe sobre a cerveja, mas a ciência já comprovou que, se consumida com moderação, a cerveja não é a responsável pelo aumento de peso nem de gordura abdominal.
Estudos mostraram que o que engorda não é a cerveja, mas os alimentos gordurosos, os famosos tira-gostos, que são frequentemente combinados com a bebida.

4 – Chope é a mesma coisa que cerveja? Verdade

O chope e a cerveja são a mesma bebida. A diferença, no entanto, é que a cerveja passa pelo processo de pasteurização – tratamento térmico que garante maior prazo de validade ao produto.
Já o chope, por sua vez, não passa pelo mesmo processo, é mais calórico do que a cerveja e tem um prazo de validade menor

5 – Cerveja não pode ser inserida em um estilo de vida balanceado? Mito

“Esse é outro pensamento bastante equivocado disseminado aqui no Brasil”, afirma Tulio.
O especialista explica que , assim como o vinho, a cerveja é feita de ingredientes naturais cujos benefícios são cientificamente comprovados.
“Um bom exemplo disso é a cevada, que dá origem ao malte, e o lúpulo. Ambos são ricos em antioxidantes, vitaminas e minerais, que, além de ajudarem a dar corpo, aroma, sabor e textura à cerveja, fazem da bebida uma aliada na dieta balanceada”, diz o sommelier.

6 – O colarinho tem alguma função? Verdade

Se você acha que não, o colarinho tem sim papel importante, pois a espuma protege a bebida da oxidação, reduz a perda de gás e mantém a temperatura. “Dois dedos de espessura é o ideal”, explica Tulio.

7 – Não existe copo específico para tomar cerveja? Mito

Cada estilo de cerveja pede um tipo de copo adequado para que os sabores e aromas sejam ressaltados.
A pilsen pode ser apreciada em uma tulipa ou caneca, a lambic pede taças do tipo flauta e a weissbier deve ser servida em copos maiores.
Se não tiver o copo ideal, utilize taças de vinho branco, ensina o sommelier.

8 – Cerveja é uma bebida de baixa caloria? Verdade

Se comparada com outras bebidas, como o vinho e até o suco de laranja, a cerveja pode ser considerada uma bebida de baixa caloria. Uma taça de cerveja tem em média 120 calorias, já a mesma quantidade de vinho 240 calorias.
A cerveja também possui os mesmos compostos orgânicos benéficos à saúde que o vinho: antioxidantes, vitaminas e sais minerais, explica Tulio.

9 – Cervejas artesanais, especiais e mainstream são a mesma coisa? Mito

De acordo com Tulio, podemos classificar as cervejas de acordo com a forma como elas são produzidas.
“A diferença básica entre elas é que as cervejas chamadas de mainstream têm um processo de fabricação bastante elaborado, complexo, justamente para garantir a qualidade da reprodutibilidade da receita”.
Já as cervejas ditas artesanais têm foco na licença criativa. “São cervejas de produções pequenas e mais ousadas, principalmente em termos de ingredientes”.
Por fim, as cervejas especiais são todas cujo preço é 20% maior do que as mainstream. “O que classifica uma cerveja como especial é o valor puramente econômico”, diz o especialista.

10 – O lúpulo é um conservante natural? Verdade

A função do lúpulo vai muito além de garantir o amargor da cerveja. Tulio explica que ele é um poderoso conservante natural, que pode ser utilizado até na culinária e também como cosmético.

11 – A cerveja não tem ritual de degustação? Mito

Segundo Tulio, apreciar e degustar uma cerveja pode ser uma verdadeira experiência sensorial. O especialista explica que é necessário ativar os cinco sentidos.
“Uma dica é procurar sentir os aromas da cerveja, criando uma memória olfativa da bebida, assim como o tato bucal e até a análise visual de uma cerveja”, dizTulio.

12 – A cerveja é mais saudável que outras bebidas destiladas? Verdade

Bebidas fermentadas, como a cerveja e o vinho, são mais saudáveis que as destiladas, como a cachaça e o whisky.
Além disso, a cerveja tem teor alcoólico menor que outras bebidas e o álcool da cerveja é obtido a partir de um processo natural, ou seja, mais saudável.

13 – Cerveja de garrafa é mais gostosa que a de lata? Mito

Tulio afirma que produto é o mesmo, não importa o recipiente, porém, o aroma e sabor podem ser influenciados pelo modo de conservar e resfriar a bebida.
Por isso, o ideal é manter a temperatura constante, seja ela fria ou sem refrigeração. “Quando ocorre a mudança brusca de temperatura, o sabor da cerveja é prejudicado”, afirma o especialista.

Posted in Mitos, Verdades at agosto 7th, 2015. No Comments.

Angélica que disse ser vegetariana,come um cachorro-quente no comercial da Perdigão. Verdade ou Mentira?

angelica-que-disse-ser-vegetariana-come-um-cachorro-quente-no-comercial-da-perdigão-verdade-ou-mentira

Celebridades com hábitos de consumo diferentes dos que apregoam nas campanhas publicitárias podem abalar a credibilidade da marca e ainda virar piada nas redes sociais.
Ela não gostava de cerveja, mas foi convidada a ser musa do camarote da Devassa em pleno Carnaval carioca. Ele não comia carne há 30 anos, mas disse ter mudado de ideia antes de estrelar a campanha da Friboi. No caso mais recente, a cantora-atriz-apresentadora Angélica aparece na campanha da Perdigão abocanhando um cachorro-quente, apesar de não consumir glúten ou comer carne.
Por causa das peças publicitárias, a cantora Sandy e o mito Roberto Carlos passaram por maus bocados na mídia, em parte por passar a ideia de que fingiam gostar dos produtos para convencer o consumidor. Para as empresas citadas, a polêmica sobressaiu-se à intenção original das campanhas.

“Costumo dizer que em tempos de internet, a mentira tem mídia curta”, brinca Andrey Ohama, diretor de criação da agência de publicidade cearense 101º Macaco. “Começar uma campanha mentindo é dar um tiro no pé. Não se deve colocar dúvidas sobre o que a marca está comunicando”, afirma.

Segundo Andrey, as campanhas que utilizam famosos têm como objetivo associar às marcas a empatia que o público tem por eles. “Mas como o público vai fazer esta associação se sabe que eles não as consomem na vida real?”
Para Diego Ribeiro, diretor de criação da agência cearense Bolero Comunicação, uma campanha que cause polêmica geralmente não traz benefícios. “Usaram a Angélica para anunciar um tipo de produto que ela já havia dito que não consumia. Ficou um pouco forçado quando ela disse depois que abria exceção para a salsicha”, afirma.

Diego cita ainda o caso da marca de picolés Diletto como exemplo de estória forjada para parecer crível. “Era para ser um storytelling (a estória por trás de um produto), mas depois se descobriu de que não era bem assim”, lembra. O Conselho de Autorregulamentação Publicitária (Conar) recomendou alterações em todo o material publicitário.

Em relação a Perdigão, a campanha busca posicionar a marca na fatia mais popular e tentar conter o avanço dos concorrentes. Ele acha que não deve haver impacto nas vendas. “O público-alvo é a classe mais popular, que não vai se importar se ela consome ou não o produto”, indica.

Alegações
Segundo nota oficial da Perdigão, os hábitos da apresentadora não interferiram na escolha da marca: “Na campanha, Angélica come os produtos Perdigão, como a salsicha, além de servir sua família e amigos.”

A apresentadora acabou se pronunciando também: “Fui escolhida por meu papel como mulher dona de casa. Além disso, como salsicha, adoro cachorro quente e estou comendo no comercial porque realmente gosto”.
VEJA CASOS SEMELHANTES

Devassa

Em 2011, a cantora Sandy afirmou: “Cerveja realmente não é minha bebida preferida. O que não gosto na cerveja é do gosto amargo. Eu gosto de bebida doce, vinho etc. Mas isso não tem problema. Ou todo mundo acha que a Xuxa usa Monange e que o Luciano Huck e a Angélica usam Niely Gold?” A declaração motivou a resposta de ambos.

Friboi

Roberto Carlos perdeu um naco da credibilidade. Tudo por causa do comercial da Friboi. Um dos rumores foi o de que o cantor não teria sequer dado uma garfada no bife. A JBS, então, teria decidido cancelar o contrato, previsto para durar até 2015. “Nunca fui vegetariano, eu só não comia carne vermelha, mas comia peixe e frango”.

Seara

Outro caso envolveu a Seara, que apresentou o chef italiano Cesare Giaccone como especialista em lasanha e que aprovava o produto. Consumidores descobriram que além de não vender o prato em seus restaurantes, não havia registros de que ele entendia realmente do prato.

Diletto

O personagem que ilustrava a seção “Nossa História”, no site da Diletto, responsável por conceber as receitas de sorvetes e ter inspirado a criação da marca era pura fantasia. A verdade foi descoberta e revelada pela revista Exame. O Conar recomendou que a peça publicitária fosse modificada, explicando que o personagem não era real.

Vinagre pode enganar o resultado do Bafômetro?

Esta informação circula pela internet já faz alguns anos e há muito tempo vem surgindo sugestões para burlar o teste do bafômetro pela internet, certo!
No Programa do Ratinho teve uma reportagem, com Policiais de trânsito, sobre as possíveis receitas para driblar o bafômetro.

Então… falava-se em métodos para se burlar o BAFÔMETRO, segundo autoridades e professores químicos, eles afirmavam em vários meios de comunicações há muito tempo que não adiantava se fazer essas receitas caseiras que não funcionaria certo? Vejam só.
Um funcionário do programa tomou varias doses de Vodka com energético ok, no certo tomou 4 doses boas de vodka com energético, então vai ao teste do BAFÔMETRO.
Receitas caseiras segundo professores de química não funcionam contra o bafômetro certo.
Mico geral, quem assistiu sabe do que estou falando.

O funcionário depois das vodkas foi para o BAFÔMETRO, logo acusou um limite alto de álcool no sangue cerca de 0,30%, onde se ele fosse pego na blitz seria multado imediatamente certo.
A nova Lei 11.705, que altera o Código de Trânsito Brasileiro, proíbe o consumo de praticamente qualquer quantidade de bebida alcoólica por condutores de veículos. A partir de agora, motoristas flagrados excedendo o limite de 0,2 gramas de álcool por litro de sangue pagarão multa de 957 reais, perderão a carteira de motorista por um ano e ainda terão o carro apreendido. Para alcançar o valor-limite, basta beber uma única lata de cerveja ou uma taça de vinho. Quem for apanhado pelos já famosos “bafômetros” com mais de 0,6 gramas de álcool por litro de sangue (equivalente três latas de cerveja) poderá ser preso.

Logo foi fazer outro teste para comprovar que receitas caseiras não funcionam, segundo “autoridades e estudiosos no assunto”, o funcionário (cobaia) antes do segundo teste tomou um gole de vinagre, isso mesmo vinagre esses que temperamos saladas, lembrando que policiais e professores afirmavam que não funcionava, pois é o rapaz toma o tal vinagre ao vivo no programa e vai se ao teste, assopra no canudinho do bafômetro segurado por um policial de trânsito, kkkkkkkk o MICO DO ANO.

A câmera filmando o bafômetro no visor que detecta o teor alcoólico no ar contido no pulmão do individuo, depois de 4 doses de Vodka e, com um gole de vinagre no final, como em um passe de mágica, ACUSOU 0,10 % DE ÁLCOOL, logo o policial tira o BAFÔMETRO do foco da câmera, sem explicação para o acontecido, resumindo não acreditavam, por isso não fizeram o teste antes de ir ao ar.

PONTO DE VISTA ELETRÔNICO

Lembrando que esta postagem não tem intuito de ensinar a ninguém a burlar a lei, LEI FOI FEITA PARA SER CUMPRIDA E NÃO DISCUTIDA, MUITO MENOS BURLADA.
É bom lembrar que o policial está “habilitado” a encaminhar o motorista sujeito de embriaguez à delegacia, este fazendo ou não o teste do bafômetro! Mesmo que o motorista Pudim-de-pinga consiga usar de algum artifício para dar uma enganada no aparelho, havendo indícios de bebedeira, o cabra pode ser levado para o DP.
Frisamos que, o motorista não é obrigado a fazer o teste, com esse direito garantido por lei. E somente em caso de acidente com vítimas, o fator alcoólico poderá ter efeito legal o exame de sangue.

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL

Art.5, II da CF – ninguém será obrigado a fazer ou deixar de fazer alguma coisa senão em virtude da lei.

Art.5, X “da CF – como também no princípio onde ‘‘ ninguém deve ser obrigado a produzir prova contra si mesmo”.

 
Posted in Comportamento, Medicina, Verdade, Verdades at fevereiro 19th, 2013. No Comments.

Verdade ou mentira? Cerveja dá barriga?

Um estudo feito por uma equipe de cientistas da Alemanha concluiu que a cerveja não é a responsável pela barriga nos homens. Ela apenas contribui para o aumento de peso.

Durante a pesquisa, os cientistas analisaram o peso, a medida do quadril e da cintura de quase 20 mil pessoas durante quatro anos. Além disso, os participantes relataram detalhes sobre a quantidade de bebida consumida por dia.

Então, o grupo percebeu que tanto consumidores de cerveja quanto os que não bebiam ganharam barriga. A partir disso, os pesquisadores concluíram que a barriga de cerveja é um mito.

Logo, o consumo de cerveja interfere apenas no aumento de gordura corporal total, contaram os cientistas ao Jornal Europeu de Nutrição Clínica. Portanto, consumidores de cerveja realmente ganham peso, mas não necessariamente na região da cintura. Por sua vez, as mulheres analisadas ganharam mais massa gordurosa nos quadris do que na região da barriga.

Além disso, a equipe descobriu que homens e mulheres tem uma percepção diferente do consumo de cerveja. Para as mulheres, consumo moderado significa ingerir 250 ml de cerveja por dia, enquanto os homens consideram de 500 a 1000 ml por dia uma quantidade média.

A pesquisa foi feita por cientistas da Fulda University of Applied Sciences, da University of Gothenburg, do Institute of Human Nutrition Potsdam-Rehbrücke e publicada no jornal britânico Daily Mail.

Posted in Mentira, Mitos at abril 5th, 2012. No Comments.