O que você precisa saber sobre a cerveja – 13 mitos e verdades sobre a bebida alcoólica mais consumida no país.

cerveja-mitos-e-verdades
Ela já foi tema de música, tem um dia só dela e sempre é usada como pretexto para reunir os amigos. Sim, estamos falando da cerveja – a bebida alcoólica mais consumida no país.
Toda primeira sexta-feira de agosto é comemorado no Brasil e em outros 50 países o Dia Internacional da Cerveja e, por isso, nada melhor do que usar a data para desmistificar alguns fatos sobre ela.

Esqueça, por exemplo, aquele mito de que cerveja pode dar barriga, pois pesquisas comprovam que quando bebida com moderação não dá.
Além disso, quando comparada com outras bebidas, principalmente as destiladas, ela é muito mais saudável e pode sim ser inserida a um estilo de vida balanceado.
Os mitos e verdades foram listados pelo beer sommelier Tulio Rodrigues, fundador da Beer Academy e professor da Fundação Getúlio Vargas na disciplina Administração dos Negócios da Cerveja.

Veja nas imagens 13 mitos e verdades sobre a cerveja que você precisa saber:

1 – Cerveja deitada gela mais rápido? Mito

De acordo com Tulio Rodrigues, a melhor posição para armazenar e gelar cervejas é de pé, “para que a superfície de contato do líquido com o ar seja menor”.
Além disso, o especialista alerta também que a cerveja deve ser resfriada gradualmente, ou seja, colocá-la no congelador, só se for um pouco antes de consumi-la.

2 – Cerveja não deve ser servida muito gelada? Verdade

Tulio explica que quando servida em baixíssima temperatura, a cerveja acaba anestesiando as papilas gustativas da língua, que fazem com que a sensibilidade para degustar a bebida seja perdida.
“O calor pede cervejas geladas, mas sem exageros”, afirma o beer sommelier.

3 – Cerveja dá barriga? Mito

Segundo Tulio, esse é o mito mais famoso que existe sobre a cerveja, mas a ciência já comprovou que, se consumida com moderação, a cerveja não é a responsável pelo aumento de peso nem de gordura abdominal.
Estudos mostraram que o que engorda não é a cerveja, mas os alimentos gordurosos, os famosos tira-gostos, que são frequentemente combinados com a bebida.

4 – Chope é a mesma coisa que cerveja? Verdade

O chope e a cerveja são a mesma bebida. A diferença, no entanto, é que a cerveja passa pelo processo de pasteurização – tratamento térmico que garante maior prazo de validade ao produto.
Já o chope, por sua vez, não passa pelo mesmo processo, é mais calórico do que a cerveja e tem um prazo de validade menor

5 – Cerveja não pode ser inserida em um estilo de vida balanceado? Mito

“Esse é outro pensamento bastante equivocado disseminado aqui no Brasil”, afirma Tulio.
O especialista explica que , assim como o vinho, a cerveja é feita de ingredientes naturais cujos benefícios são cientificamente comprovados.
“Um bom exemplo disso é a cevada, que dá origem ao malte, e o lúpulo. Ambos são ricos em antioxidantes, vitaminas e minerais, que, além de ajudarem a dar corpo, aroma, sabor e textura à cerveja, fazem da bebida uma aliada na dieta balanceada”, diz o sommelier.

6 – O colarinho tem alguma função? Verdade

Se você acha que não, o colarinho tem sim papel importante, pois a espuma protege a bebida da oxidação, reduz a perda de gás e mantém a temperatura. “Dois dedos de espessura é o ideal”, explica Tulio.

7 – Não existe copo específico para tomar cerveja? Mito

Cada estilo de cerveja pede um tipo de copo adequado para que os sabores e aromas sejam ressaltados.
A pilsen pode ser apreciada em uma tulipa ou caneca, a lambic pede taças do tipo flauta e a weissbier deve ser servida em copos maiores.
Se não tiver o copo ideal, utilize taças de vinho branco, ensina o sommelier.

8 – Cerveja é uma bebida de baixa caloria? Verdade

Se comparada com outras bebidas, como o vinho e até o suco de laranja, a cerveja pode ser considerada uma bebida de baixa caloria. Uma taça de cerveja tem em média 120 calorias, já a mesma quantidade de vinho 240 calorias.
A cerveja também possui os mesmos compostos orgânicos benéficos à saúde que o vinho: antioxidantes, vitaminas e sais minerais, explica Tulio.

9 – Cervejas artesanais, especiais e mainstream são a mesma coisa? Mito

De acordo com Tulio, podemos classificar as cervejas de acordo com a forma como elas são produzidas.
“A diferença básica entre elas é que as cervejas chamadas de mainstream têm um processo de fabricação bastante elaborado, complexo, justamente para garantir a qualidade da reprodutibilidade da receita”.
Já as cervejas ditas artesanais têm foco na licença criativa. “São cervejas de produções pequenas e mais ousadas, principalmente em termos de ingredientes”.
Por fim, as cervejas especiais são todas cujo preço é 20% maior do que as mainstream. “O que classifica uma cerveja como especial é o valor puramente econômico”, diz o especialista.

10 – O lúpulo é um conservante natural? Verdade

A função do lúpulo vai muito além de garantir o amargor da cerveja. Tulio explica que ele é um poderoso conservante natural, que pode ser utilizado até na culinária e também como cosmético.

11 – A cerveja não tem ritual de degustação? Mito

Segundo Tulio, apreciar e degustar uma cerveja pode ser uma verdadeira experiência sensorial. O especialista explica que é necessário ativar os cinco sentidos.
“Uma dica é procurar sentir os aromas da cerveja, criando uma memória olfativa da bebida, assim como o tato bucal e até a análise visual de uma cerveja”, dizTulio.

12 – A cerveja é mais saudável que outras bebidas destiladas? Verdade

Bebidas fermentadas, como a cerveja e o vinho, são mais saudáveis que as destiladas, como a cachaça e o whisky.
Além disso, a cerveja tem teor alcoólico menor que outras bebidas e o álcool da cerveja é obtido a partir de um processo natural, ou seja, mais saudável.

13 – Cerveja de garrafa é mais gostosa que a de lata? Mito

Tulio afirma que produto é o mesmo, não importa o recipiente, porém, o aroma e sabor podem ser influenciados pelo modo de conservar e resfriar a bebida.
Por isso, o ideal é manter a temperatura constante, seja ela fria ou sem refrigeração. “Quando ocorre a mudança brusca de temperatura, o sabor da cerveja é prejudicado”, afirma o especialista.

Posted in Mitos, Verdades at agosto 7th, 2015. No Comments.

Terceira idade – Saiba o que é verdade e mentira nas pessoas idosas

Patricia Golini

Não adianta negar, todo mundo vai envelhecer. O processo, que começa perto dos 30 anos com a queda da capacidade pulmonar e cardíaca máxima e com a diminuição na produção de colágeno, é inevitável. Saiba mais sobre os mitos e verdades que acontecem com o corpo quando você alcança a casa dos 60.

Quando ficamos velhos, ficamos mais esquecidos

Mito. “Quando falamos de envelhecimento, temos alterações em todos os sistemas orgânicos. Do ponto de vista neurológico, existem modificações sim, porém, nem sempre elas comprometem a função cerebral do indivíduo”, explica Roberto Dischinger Miranda, geriatra e cardiologista do Instituto Longevità, de São Paulo. Algumas mudanças no estilo de vida fazem com que o idoso fique menos atento ou participativo. As pessoas mais jovens estão mais ligadas aos fatos que acontecem ao seu redor. À medida que a pessoa fica mais tranquila, tende a diminuir o poder de assimilação dos fatos. “A nossa memória está relacionada à atenção. Pelo próprio estilo de vida que levamos, implica em menor registro, menor foco de memória. Nem sempre lapsos de memória sinalizam doença”, explica o médico. Para evitar que eles apareçam, invista em atividades prazerosas para evitar que o cérebro fique acomodado. Aprender uma nova língua, um instrumento musical ou até mesmo usar o computador pode ser uma ótima maneira de estimular o funcionamento cerebral.

Quando ficamos mais velhos precisamos nos exercitar menos

Verdade. As alterações no organismo próprias do envelhecimento começam aos 30 anos e com elas vem a diminuição das capacidades pulmonar e cardíaca máximas. A repercussão dessas mudanças na vida cotidiana é pequena, porém, a queda de desempenho pode ser facilmente sentida durante os exercícios físicos. “Os exercícios devem ter uma intensidade diferente daquele praticado quando a pessoa era jovem. Mas, em qualquer idade, a atividade física é importante. E a performance ao se exercitar dependerá de cada um, é uma capacidade individual”, comenta o geriatra.

As dores são inevitáveis, principalmente as causadas pela artrite

Mito. Osteoartrose é uma das doenças mais comuns no envelhecimento e provoca dor. “Apesar das dores ocasionadas pela degeneração da cartilagem serem consideras comuns, não podemos considerá-las normais. O paciente deve ir ao médico para fazer um tratamento, fisioterapia e controlar o peso”, explica o médico.

O desejo sexual diminui com a idade

Verdade. Segundo Roberto Dischinger Miranda, o desejo sexual tende a diminuir com a idade, por ser próprio do envelhecimento humano. Nas mulheres, a menopausa faz com que a lubrificação diminua, o que causa dores durante a penetração. No homem, é comum a disfunção erétil. Porém, muitas vezes isso não impede a vida sexual do casal. É importante que os dois estejam bem com a prática, seja uma vez ao dia ou uma vez ao mês.

Acima de 60 anos devo procurar um geriatra

Mito. O geriatra é nada menos que um médico generalista com especialização em doenças mais comuns da terceira idade. Como o processo de envelhecimento começa quando somos jovens, é possível ir ao geriatra para acompanhar o avanço da idade, de maneira preventiva. “Não há nada que impeça a pessoa de envelhecer, o importante é manter a capacidade funcional, motora, física e mental”, explica o médico.

Pessoas com mais de 60 anos sentem menos sede

Mito. A estrutura fisiológica em si não causa essa alteração. “Muitas vezes, o que acontece é que o idoso perde bastante água por um quadro de incontinência urinária ou devido aos remédios diuréticos. Com isso, eles tendem a diminuir a ingestão de água – conscientemente ou não”, diz a nutricionista especializada em gerontologia Maristela Strufaldi. O quadro pode levar à desidratação, tontura, problemas intestinais e prejudicar a pele. “Por mais que o corpo não exija, deve-se tomar a mesma quantidade de água que antes”, defende Maristela.

Os idosos sentem menos sono

Mito. Algumas teorias defendem que o que acontece na verdade é uma mudança na arquitetura do sono. “Muitas vezes, o idoso tem a sensação de que dorme menos ou de que não dormiu bem. Mas nem sempre isso é real”, comenta Miranda. Quando a atividade do corpo é menor durante o dia, é natural que as horas de sono diminuam. Porém, nem sempre é preciso tratar com medicamentos. Primeiramente, é preciso investigar as causas dessa mudança e, se possível, tratá-las.

O paladar muda com a chegada da idade

Verdade. Assim como os outros músculos, as papilas gustativas, que ficam na língua, tendem a atrofiar. Isso influencia na percepção do paladar. “Para compensar essa perda, os idosos tendem a buscar alimentos ora muito doces, ora muito salgados”, elucida Maristela.

Os músculos desaparecem com o passar do tempo

Verdade. Segundo a nutricionista, a queda funcional do corpo faz com que aumente a quantidade de gordura, diminua a quantidade de massa magra e ocasione a queda no colágeno. O quadro, normal com o envelhecimento, acontece devido à morte celular e à atrofia muscular. O problema pode ser levemente corrigido com atividade física e alimentação balanceada.

Existem doenças consideradas normais na 3ª idade (diabetes, hipertensão)

Mito. Tudo que é considerado doença não pode ser chamado de normal. Pressão alta, diabetes, catarata são comuns, porém, jamais devem ser consideradas normais, uma vez que comprometem a vida do indivíduo. “O ideal é envelhecer com saúde e bem-estar”, completa o geriatra.

Fonte: Terra

Posted in Comportamento, Mentira, Mentiras, Mitos at outubro 1st, 2012. No Comments.

Pílula anticoncepcional – Conheça as verdades e mentiras sobre o medicamento feminino


Desde a década de 60, a pílula anticoncepcional passou a fazer parte do universo feminino. Com a evolução da medicina, o método tornou-se mais seguro, com dosagens hormonais menores, sendo bastante utilizado pelas mulheres. No entanto, até hoje algumas dúvidas permanecem quanto aos efeitos da utilização do anticoncepcional oral.

Considerando algumas das perguntas mais frequentes, a ginecologista e obstetra Denise Gomes, diretora médica da Plena Clínica, esclarece o que é mito e verdade.

Mudança de humor é decorrente do uso da pílula?

Mito! As mudanças hormonais típicas da menstruação causam muitas alterações do humor, e a pílula é um excelente tratamento para isso, deixando o humor da mulher estável.

O anticoncepcional pode afetar o desejo sexual da mulher?

Verdade! A perda da libido pode ocorrer devido ao uso do anticoncepcional, uma vez que ele interfere na concentração do hormônio testosterona. Caso esse sintoma seja notado, o recomendável é procurar o médico para que ele oriente o que fazer diante dessa situação.

É possível emendar duas cartelas para não menstruar?

Verdade! Algumas mulheres tomam uma cartela atrás da outra com o intuito de não menstruar. Essa prática não interfere na eficácia do anticoncepcional. No entanto, se esse procedimento for repetido mais de uma vez, é importante avisar o ginecologista.

O uso da pílula pode causar celulite?

Mito! A celulite está relacionada ao acúmulo de gordura e a uma predisposição genética. Quando há retenção de líquido, o inchaço provoca a sensação de que a celulite aumentou. Nesse caso, o médico deve ser consultado.

Quem toma a pílula por muito tempo tem dificuldade de engravidar?

Mito! O que pode acontecer com as mulheres que tomam o contraceptivo oral por muitos anos é demorar um pouco mais para engravidar, pois voltam a ovular, em média, 3 meses após a suspensão do método.

Segundo a ginecologista Denise Gomes, a infertilidade é menor entre as mulheres que consomem o anticoncepcional. Ela explica que, devido ao uso prolongado do anticoncepcional, os hormônios podem ficar acumulados nas células de gordura, sendo liberados no organismo mesmo depois de cessado o consumo da pílula.

Pílula provoca acne?

Mito! As substâncias presentes no anticoncepcional ajudam a equilibrar os hormônios masculinos que provocam as espinhas. Em alguns casos, a pílula é até recomendada como tratamento para prevenir a acne e diminuir a oleosidade da pele.

Quem usa pílula engorda?

Mito! Atualmente as novas pílulas apresentam baixa dosagem hormonal. Se a pessoa está sentindo seu corpo pesado, o motivo é outro, não tem a ver com o uso contínuo da pílula. Em alguns casos, o inchaço decorrente da retenção de líquido pode ser confundido com o ganho do peso.

Posted in Medicamento, Pílula Anticoncepcional at setembro 25th, 2012. 4 Comments.

Dentes – Mitos e verdades sobre o tratamento de canal

Quando o assunto é tratamento odontológico quase sempre a reação provocada é medo. Esse receio já faz parte da história da odontologia e não é diferente quando o problema é tratamento de canal. Tecnicamente nomeada de Endodontia, a especialidade é uma das mais procuradas na atualidade. O tratamento de canal é necessário quando a polpa dentária é atingida e geralmente acontece quando existe processo avançado de cárie. Problemas dentários repetidos, trincas e fraturas também podem ocasionar danos à polpa dentária. O procedimento consiste na remoção da polpa, composta por nervos e vasos presentes no interior do dente, e sua substituição por uma pasta obturadora compatível, em dentes de leite, e por cones de um material chamado guta percha (semelhante à borracha) em dentes permanentes.

O método pode salvar muitos dentes que no passado eram condenados à extração. “Esse procedimento pode ser rápido, principalmente se o dente não estiver infectado, ou seja, sem a presença de bactérias no local. Já quando existe pus, hemorragia ou tumefação, os tratamentos podem durar duas ou mais consultas”, explica o Dr. Thiago Vitelli Vasco dos Santos, especialista em Endodontia da Odontoclinic.


A cárie dentária é a principal causa do problema, que nos casos agudos provoca dor incessante, mesmo com o uso de analgésicos.

Principais sintomas

Diversos são os sinais que podem indicar a presença de problemas endodônticos. Esses indícios geralmente são acompanhados de dor persistente, que pode ser espontânea ou ocasionada por estímulos (como, por exemplo, ao beber água gelada). Essa dor geralmente não cessa nem com o uso de analgésicos. Dificuldade de mastigação e sensação de aumento da pressão dentro do dente também são sintomas comuns. No entanto, casos em que a pessoa convive com o problema sem nenhum sintoma aparente também existem, sendo necessária a realização de radiografias para detectar o problema.

A ausência de tratamento pode levar a dores no local, inchaços, abscessos, problemas sistêmicos e até a perda do dente. “Muitas são as justificativas que impedem as pessoas de procurar o tratamento adequado. O medo de sentir dor faz com que a pessoa opte pela extração do que por tratar o canal em dentes que poderiam facilmente ser salvos. É uma pena”, completa o especialista da Odontoclinic.

Tratamento – Com o uso de anestesia o tratamento de canal é, na maioria dos casos, indolor. Pode haver certo desconforto, o que é normal em um tratamento endodontico, pela neces

sidade de manter a boca aberta por um longo período de tempo. É feito em várias etapas, dependendo do caso. Primeiramente, é realizada a abertura no dente e, em seguida, é feita a remoção da polpa inflamada (pulpectomia). O espaço pulpar e os canais são esvaziados, alargados e limados, em preparação para o seu preenchimento com cones biocompativeis chamado de guta-percha. “Em caso de dentes infeccionados é realizado um procedimento chamado de penetração desinfectante, onde visa eliminar os microorganismos, dentro do canal com uso de hipoclorito de sódio, sendo em seguida realizado o alargamento e a limagem dos canais. Nos casos em que se faz necessária mais do que uma visita, é colocada uma restauração temporária na abertura da coroa, a fim de proteger o dente no intervalo das visitas”, explica Dr. Thiago Vitelli Vasco dos Santos.

O passo seguinte é o preenchimento permanente da cavidade da polpa e canal. Um material em forma de cone (flexível) é inserido em cada um dos canais e geralmente selado em posição com um cimento apropriado. Em alguns casos um pino de fibra de vidro ou metal é colocado no canal para se conseguir maior resistência. Somente são colocados pinos metalicos ou de fibra de vidro, se ha necessidade ou indicação de realizar protese sobre o elemento. A etapa final consiste na colocação de uma coroa sobre o dente para lhe conferir uma aparência natural.

Como evitar – De acordo com o especialista, o principal fator que leva ao tratamento de canal é a presença de processos avançados de cáries. Por isso a importância de uma boa assepsia bucal. “Por natureza, a boca humana abriga cerca de 560 espécies de microorganismos, mas com uma boa higiene eles não chegam a incomodar. Já a má escovação faz com que esses microorganismos se multipliquem causando cáries e placa dentária”, ressalta o especialista. É fundamental a escovação dos dentes três vezes ao dia usando um creme dental com flúor para remoção da placa bacteriana. Esse cuidado, além de evitar cáries também evita outros problemas como a gengivite. Usar fio dental diariamente também é importante para remover a placa bacteriana que se instala entre os dentes e sob a gengiva. Quando a placa não é retirada ela endurece e dá origem ao tártaro, ou cálculo dental, este só pode ser removido pelo dentista.

O especialista em Endodontia da Odontoclinic, Dr. Thiago Vitelli Vasco dos Santos, destaca abaixo alguns mitos e esclarece verdades sobre tratamentos de canal:

Mito: Tratamento de canal enfraquece os dentes.

Verdade: O dente que foi submetido ao tratamento de canal é considerado desvitalizado, o paciente nunca mais deve sentir dor ou sensibilidade ao quente e frio neste elemento.

Verdade: O tratamento de canal consiste na remoção da polpa dental, uma estrutura viva que contém, entre outros elementos, nervos e vasos sangüíneos. No entanto, externamente, o dente é envolvido pelos ligamentos periodontais, um ligamento vivo que permite que o dente continue a executar suas funções sem nenhuma perda ou dano.

Verdade: O dente que necessita de um tratamento de canal se encontra enfraquecido pela perda da estrutura dental, causada, geralmente, pela cárie profunda.

Mito: Para o tratamento de canal são necessários muitos dias.

Verdade: O tratamento de canal pode ser realizado em poucas consultas, principalmente se o dente não estiver infectado, ou seja, sem a presença de bactérias no local. Quando existe presença de pus, hemorragia ou tumefação, os tratamentos exigem maior número de consultas.

Sobre a Odontoclinic – Fundada em 1997, a Odontoclinic é a maior rede de franquias de odontologia em atuação no País. Em 2002, adotou o sistema de franchising – atualmente conta com 140 franquias e quatro unidades próprias. A projeção é de totalizar 500 clínicas em todo o Brasil até 2016. A companhia conta com todos os tipos de tratamentos na área da Odontologia, como Ortodontia, Clínica Geral, Endodontia, Periodontia, Cirurgia Oral Menor, Odontopediatria, Prótese e Implante.

Posted in Mentira, Mentiras, Mitos, Verdade, Verdades at março 21st, 2012. 45 Comments.

Mitos e verdades sobre a pílula anticoncepcional

A Pílula possivelmente é o método de contracepção mais comum no mundo. Calcula-se que cera de 90 milhões de mulheres no mundo todo façam uso do anticoncepcional. Eles atuam evitando que ocorra a ovulação – liberação de óvulo pelos ovários. Por ser um método muito utilizado, existem diversos mitos sobre o assunto. Dê uma olhadinha abaixo e tire algumas de suas dúvidas de uma vez por todas.

Alguns remédios podem anular o efeito do anticoncepcional?

Verdade. Sabe-se que a ampicilina, por exemplo, um antibiótico bastante comum e utilizado no tratamento de infecções urinárias, faringo-amigdalites e pneumonias, entre outros, pode reduzir a eficácia da pílula. Ainda, várias drogas anti-convulsivantes (utilizadas no tratamento de diversas formas de epilepsia) podem diminuir a eficácia dos anticoncepcionais orais. Nesses casos, a mulher deve associar a pílula a um método de barreira – preservativo – até o final da cartela.

Mulheres que usam pílula têm maior risco de câncer de mama e de útero.?

Mito. O risco de câncer de mama é praticamente o mesmo entre usuárias e não-usuárias de pílula.

Pílula engorda.?

Talvez. Ainda que o ganho de peso esteja entre as queixas mais comuns das mulheres que utilizam a pílula, os estudos mostraram que isto pode não ser completamente verdadeiro. Uma pesquisa recente descobriu que 72% das pacientes que começaram a tomar o anticoncepcional oral não apresentaram qualquer alteração de peso no final do período.

Pílula faz mal para o cabelo.?

Mito. Não existem evidências científicas comprovando este fato.

Depois que comecei a tomar a pílula, meu humor mudou.

Podem ocorrer náuseas, dor de cabeça, dor nos seios, sangramentos vaginais irregulares e depressão nos primeiros meses de uso da Pílula, mas estes efeitos colaterais freqüentemente cessam após alguns meses.

Pílula diminui a incidência de cólica

As cólicas são menos freqüentes nas mulheres que não ovulam. Por isso, as pílulas podem ser úteis em 70-80% dos casos de dismenorréia (cólica).

Mulheres que tomam Pílula demoram mais para engravidar quando param.?

Mito. O retorno à fertilidade em mulheres que interromperam o uso do contraceptico oral pode levar mais tempo quando comparado às mulheres que interromperam outros métodos contraceptivos, mas não parece haver prejuízo da fertilidade como um todo.

A Pílula pode piorar a asma.

Mito. As alterações nos níveis hormonais parecem ter um papel importante na gravidade da asma nas mulheres e cerca de 30 a 40% das mulheres apresentam flutuações na gravidade das crises relacionadas ao ciclo menstrual. A crise tende a ocorrer três dias antes e durante os quatro dias da menstruação. Os anticoncepcionais orais podem ajudar estes casos, nivelando as flutuações hormonais.

Parar de tomar pílula causa acne?

Verdade. A pílula reduz os níveis sangüíneos de androgênios (hormônios masculinizantes) e, dessa forma, podem colaborar para diminuir a gravidade da acne.

Bebida alcoolica pode interferir na eficácia da pílula

Talvez. O consumo de bebidas alcoólicas com moderação não interfere no funcionamento da pílula anticoncepcional. Assim, para garantir a sua eficácia, é muito mais importante que se você tome os comprimidos todos os dias sem falhas, nem esquecimentos, de preferência no mesmo horário, independente do que vai beber no dia.

Fonte: Bem Paraná

Posted in Mentira, Mitos, Verdade at janeiro 23rd, 2012. No Comments.

Verdades e mentiras sobre sorvetes

Não se pode tomar sorvete quando se está fazendo dieta.
MENTIRA – sorvetes de frutas são permitidos em pequenas quantidades, e existem sorvetes que têm baixa caloria e se encaixam em uma dieta para a redução de peso.

– Ele é contraindicado quando se está resfriado ou gripado, ou quando se tem dor de garganta.
VERDADE – todo alimento gelado provoca vasoconstrição dos vasos da faringe e da laringe, e pode ser irritativo. Como reduz temporariamente o fluxo de sangue na região, pode aumentar a proliferação de bactérias anaeróbias.

– É melhor evitá-lo no inverno.
MENTIRA – os países que mais consomem sorvete são países de clima frio na maior parte do ano, principalmente os europeus. Médicos afirmam que não há nenhum estudo que mostre que o sorvete pode ser prejudicial nessa estação do ano.

– É proibido para diabéticos.
MENTIRA – os diabéticos podem consumir os sorvetes dietéticos (sem açúcar), com moderação.

– Os de soja são mais saudáveis.
VERDADE – além dos benefícios característicos do sorvete, ainda contêm proteína de soja, que ajuda a reduzir a taxa do colesterol ruim (LDL).

– Os de iogurte têm menos calorias.
VERDADE – Os iogurtes do tipo frozen possuem menos calorias que os sorvetes tradicionais, porque sua formulação tem baixos teores de gordura e açúcares e também por serem feitos de iogurte e não de leite ou creme de leite.

– Os industriais têm pouca qualidade.
MENTIRA – as indústrias têm substituído ingredientes artificiais por corantes e aromatizantes naturais, pois estão conscientes de que os consumidores estão cada vez mais optando por alimentos saudáveis.

– Não pode substituir uma refeição.
MENTIRA – não há problema, desde que as outras sejam feitas normalmente. Isso porque o alimento é rico em proteínas, açúcares, gordura vegetal ou animal, vitaminas, cálcio, fósforo e outros minerais essenciais. Mas os especialistas advertem que o ideal é consumi-lo como sobremesa.

– Crianças devem tomar só sorvetes caseiros.
MENTIRA – há sorvetes industriais tão saudáveis quanto os caseiros. Por isso, prefira os sabores de fruta, que são mais saudáveis, e compare rótulos para escolher os menos gordurosos e calóricos.

– Um sunday pode ter mais calorias e gorduras do que uma refeição.
VERDADE – um sunday completo pode chegar a mais de 500 kcal, o que é mais que um prato de salada com carne magra e arroz integral.

– Quando o sorvete é light, ele pode ser tomado à vontade.
MENTIRA – os sorvetes light somente são reduzidos em até 25% do teor de gordura ou açúcar. Não é porque o alimento é classificado de light que pode ser consumido à vontade.

– Picolés são menos calóricos que sorvetes de massa.
VERDADE – normalmente os picolés à base de frutas são menos calóricos que os sorvetes cremosos, que são fabricados com leite e creme de leite.

– Em alguns pós-operatórios, o consumo de sorvete é indicado.
VERDADE – em tratamentos como a quimioterapia, ou em cirurgias para retirada de tonsilas, refluxo gastroesofágico, cirurgias ortodônticas etc., o consumo de produtos gelados e líquidos é recomendado. Além do valor nutritivo, por ser gelado, o sorvete é analgésico.

Posted in Padão at janeiro 3rd, 2012. No Comments.