É falsa a foto que mostra Rosângela, mulher de Sergio Moro, junto ao ex-presidente Lula no Instituto

Fotos virais não mostram Rosângela Moro com Lula, FHC e o investidor George Soros. Quem aparece nas duas imagens é a cientista política Ilona Szabó.

Mensagem que tem viralizado nas redes sociais diz que a mulher do ex-juiz e ex-ministro da Justiça e Segurança Pública Sergio Moro, Rosângela Moro, esteve em encontros no Instituto Lula com o investidor George Soros e os ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Fernando Henrique Cardoso. Duas imagens acompanham o texto. É #FAKE.

Quem aparece nas duas imagens, na verdade, é a cientista política Ilona Szabó, co-fundadora e diretora-executiva do Instituto Igarapé, voltado a pensar soluções para a área da segurança pública. Ilona nem sequer é parecida com Rosângela Moro.

Procurada pela CBN, a assessoria de imprensa de Moro afirma: “Oficialmente informamos que as fotos não são de Rosângela Moro e que ela nunca esteve no Instituto Lula”.

A mensagem falsa diz assim: “Aos apoiadores de Moro, se é que por acaso conhecem George Soros, né? Acho que depois dessa não precisa dizer mais nada, né, pessoal?” E segue: “Enquanto isso, no Instituto Lula, esposa de Moro (de vermelho) com George Soros e toda a quadrilha do PSDB, os maiores beneficiados por sua gestão no MJ (Ministério da Justiça)”.

A primeira foto é de um debate ocorrido em julho de 2015, no Instituto Lula, em São Paulo, do qual participaram o ex-presidente Lula, ativistas da área da segurança, profissionais da saúde e especialistas em políticas sobre drogas e violência. Entre eles, estava Ilona Szabó.

A segunda foto é de abril de 2015, e foi feita num encontro entre investidores, empresários e representantes de entidades de cunho social. Na imagem, entre outros presentes, estão o milionário húngaro George Soros, Ilona e FHC, que serviu de mediador para uma conversa sobre o terceiro setor. O encontro não ocorreu no Instituto Lula.

Desde que Moro deixou o ministério, apoiadores do governo federal se dividiram nas redes sociais e em protestos de rua entre os que seguem defendendo o presidente Jair Bolsonaro, e agora se opõem ao ex-ministro Moro, e os que se colocam junto a Moro, e criticam Bolsonaro. Mensagens falsas como essa vêm sendo compartilhadas pelo primeiro grupo. Moro é tachado de “traidor”.

Coincidência ou não, logo no início da passagem de Moro pelo ministério, em fevereiro de 2019, Ilona esteve no centro de uma polêmica. Ela foi escolhida para integrar o Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária, órgão consultivo do governo federal. Mas diante de críticas de apoiadores do presidente a seu nome, Moro revogou a nomeação. A justificativa foi a “repercussão negativa em alguns segmentos” da sociedade. Ela foi considerada de inclinação à esquerda por apoiadores do governo, que disseminaram nas redes sociais a hashtag #ilonanao.

Já Rosângela Moro também virou alvo recente por criticar Bolsonaro publicamente. No fim de semana, ela escreveu no Instagram: “Diminuir vítimas da Covid-19 depende de liderança. Não temos”.

A equipe do Fato ou fake já desmentiu outras mensagens falsas que vinculam Moro ao PSDB. Vem circulando nas redes sociais que o avô do ex-juiz é um dos fundadores do PSDB e que o deputado federal Aécio Neves (PSDB-MG) é cunhado dele. Ambas as informações são fake.

Posted in Mentira, Mentiras, Política at maio 13th, 2020. No Comments.

Presidente da Câmara Rodrigo Maia crítica à ideia de uso do Fundo Eleitoral no combate ao coronavírus? Verdade ou mentira?

É MENTIRA!!!

Post não foi feito pelo presidente da Câmara. Usuário não é o utilizado pelo político. Maia fez desmentido em seu perfil verificado no Twitter.

Circula pelas redes sociais prints de uma conta do Twitter atribuída ao presidente da Câmara, Rodrigo Maia, com a afirmação: “Desviar o dinheiro do Fundão Eleitoral para outros fins é prejudicial à democracia. Devemos manter este pilar intacto nem que isto custe a vida de alguns brasileiros. #FundaoEDemoctacia”. É #MENTIRA.

Maia tem uma conta verificada no Twitter, na qual desmente a postagem. “Fake news é coisa de covarde. Criaram uma conta falsa com meu nome para desinformar e mentir. Pra esses pistoleiros digo: os cães ladram, mas a caravana passa. Vamos em frente que temos uma crise grave (que eles não acreditam porque a terra é plana e o vírus é conspiração)”, afirma.

A conta verificada de Maia tem o endereço @RodrigoMaia. A conta fake é diferente. Além de não ter o selo de verificação, em que a rede social atesta a autenticidade da conta, apresenta o endereço @RobrigoMaia, em que a letra “B” toma o lugar da letra “D” no prenome do deputado.

Posted in Padão at abril 6th, 2020. No Comments.

É fake? Alphabet lança ferramenta “profissa” para derrubar notícias falsas

Atualmente, uma das tarefas mais ingratas do jornalismo é identificar se uma foto é real ou se foi manipulada digitalmente, pois o uso de programas como o Photoshop permite que um bom design modifique de forma realista qualquer imagem. E, ao mesmo tempo, nunca foi tão urgente que as fotos que circulam pela internet sejam rapidamente identificadas como reais ou falsas, pois o uso de imagens falsas para difamar alguém, principalmente no meio político, nunca foi tão comum.

Foi pensando nisso que, nesta terça-feira (4), a Jigsaw (uma empresa da Alphabet que foi fundada com o nome de Google Ideas) anunciou o Assembler, uma ferramenta grátis que deverá ajudar jornalistas e pesquisadores a identificar que uma foto é real ou se ela foi manipulada digitalmente, conseguindo reconhecer tanto edições feitas por humanos quanto aquela imagens modificadas com o uso de IAs.

A ferramenta foi criada com o intuito de verificar a autenticidade de imagens e mostrar onde elas podem ter sido alteradas. Para usar o programa, os usuários que acessarem o Assembler só precisam fazer o upload de qualquer imagem que queiram verificar, e então o algoritmo utilizará sete tipos de detectores para tentar encontrar se a imagem foi alterada de alguma forma.

Isso é possível porque mesmo os algoritmos mais avançados de alteração de imagens podem deixar certos traços ao fazer qualquer alteração, seja inserir um elemento que não existe na imagem original ou mudar alguma coisa no plano de fundo dela. Assim, o Assembler consegue procurar traços específicos dessas manipulações, e não apenas avisar para o usuário se a foto foi ou não alterada, mas qual elemento provavelmente foi alterado e o tipo de alteração feita.

Esses algoritmos detectores foram desenvolvidos em conjunto com a Universidade da Califórnia – Campus de Berkeley (EUA), a Universidade Federico II de Nápoles (Itália) e a Universidade de Maryland (EUA), além de dezenas de organizações de verificação de fatos ao redor do mundo, como a Animal Politico (México), Rappler (Filipinas) e a Agence France-Presse (França).

De acordo com Luisa Verdoliva, professora na Universidade de Nápoles, os detectores do Assembler não são uma solução para o problema das fake news, mas uma ferramenta que pode ajudar a impedir a proliferação deste tipo de conteúdo. Essa é uma posição compartilhada por Santiago Andrino, gerente de produto da Jigsaw, que afirma que o Assembler não tem a intenção de acabar com o problema das notícias falsas por si só, mas sim de ser uma ferramenta que permitirá que jornalistas possam confirmar ou desmentir a veracidade de qualquer foto que receberem como parte de um “furo” jornalístico ou ainda imagens que viralizaram nas redes sociais.

Além dos Assembler, a empresa também anunciou uma nova plataforma interativa que irá mostrar quais foram as campanhas coordenadas de desinformação que ocorreram ao redor do mundo na última década. Entre as campanhas existentes nesta plataforma, estão os anúncios voltados para que soldados ucranianos se sentissem desencorajados a lutar contra as tropas russas, o que facilitou a anexação da Crimeia por Putin em 2014; a história de associações ligadas ao presidente das Filipinas, Rodrigo Duterte, pagarem para que pessoas ficassem nas redes sociais do país fazendo comentários positivos sobre Duterte em todos os conteúdos da imprensa que citavam o presidente; e até mesmo um caso brasileiro, no qual 232 contas de Twitter falsas foram utilizadas por estrangeiros no intuito de propagar informações falsas sobre o cenário político nacional na tentativa de manipular o resultado das eleições de 2018.

Esse banco de dados da Jigsaw não apenas cita as partes envolvidas em cada caso, mas também revela quais foram as táticas mais comuns nessas campanhas e o tipo de mentiras que elas espalharam pelas mídias sociais, somando um total de quase 60 casos que são explicados por mais de 700 investigações, artigos e reportagens publicadas pela imprensa nos últimos cinco anos, com curadoria do Laboratório de Pesquisas Forense Digital da Atlantic Council.

De acordo com Emerson Brooking, um dos trabalhadores do laboratório, o objetivo da plataforma interativa não é ser uma enciclopédia com todos os casos de campanha de desinformação já registrados, mas uma forma de tentar compreender qual é a “Linguagem comum” utilizada por todas essas campanhas. A partir desse caminho, pretende ajudar outros veículos de impressa e grupos de estudo a entender melhor como elas funcionam.

or enquanto, o Assembler é uma ferramenta exclusiva para a imprensa e é preciso comprovar o vínculo com algum veículo jornalístico para utilizá-lo, mas o banco de dados interativo sobre campanhas de fake news é de acesso público, e pode ser encontrado no próprio site da Jigsaw. A redação do Canaltech fez o teste e confirmou que, embora liberada para jornalistas, apenas um pequeno número de testadores têm acesso à ferramenta. Seja como for, estamos na fila e, se liberar, contaremos como o verificador da Alphabet funciona em um tutorial.

Fonte: The New York Times

Posted in Padão at fevereiro 5th, 2020. No Comments.

Cadastro Positivo – Verdades e mentiras sobre o Projeto de Lei Parlamentar(PLP) 441/2017

O Projeto de Lei Parlamentar (PLP) 441/2017 que determina a inclusão automática – sem a necessidade de adesão – dos consumidores ao banco de dados com informações de adimplemento, conhecido como Cadastro Positivo, continua na pauta da Câmara dos Deputados, principalmente porque as mudanças propostas no texto-base dividem opiniões entre os parlamentares.

Dúvidas e questionamentos que também ocorrem por parte de entidades representativas da sociedade civil e consumidores.

No entanto, nem toda informação que tem sido propagada a seu respeito procede, e este fato contribui para gerar desinformação. Para ajudar a elucidar certas confusões sobre o tema, a Boa Vista SCPC esclarece algumas questões. Veja abaixo:

O consumidor estará automaticamente no Cadastro Positivo.

Verdade! O consumidor estará automaticamente incluso e entre os seus direitos destacam-se: acessar de forma gratuita as suas informações detalhadas, inclusive pontuação de crédito (score) e histórico de pagamentos existente no banco de dados, e abrir solicitação para correção de informações que foram informadas incorretamente pelas fontes de informação (credores), além de poder cancelar ou reabrir seu cadastro.

Todos podem acessar minhas informações do Cadastro Positivo.

Mentira! O seu score poderá ser observado apenas por empresas que estejam avaliando a concessão de crédito ou transações comerciais e empresariais que impliquem risco financeiro.

De acordo com Pablo Nemirovsky, superintendente de Serviços ao Consumidor da Boa Vista SCPC, o histórico detalhado do tomador de crédito não estará disponível.

O Cadastro Positivo quebra o sigilo bancário e elimina a responsabilidade solidária.

Mentira! O Cadastro Positivo não afeta o sigilo bancário e muito menos invade a privacidade dos dados do cadastrado. Para eliminar esta possibilidade, o texto-base do PLP recebeu um substitutivo.

Na hipótese de vazamento de informações sobre o cadastrado, os envolvidos poderão ser punidos com reclusão de um a quatro anos e multa, conforme prevê a Lei Complementar 105 (Lei do Sigilo Bancário). Além disso, o Cadastro Positivo respeita todas as salvaguardas para o consumidor previstas no Código de Defesa do Consumidor.

O Cadastro Positivo invade a privacidade dos dados dos consumidores.

Mentira! Não há invasão de privacidade porque não há quebra de sigilo bancário com o Cadastro Positivo. A nova lei permite que os bancos, empresas de água, luz, telefone, varejo e outras, enviem informações apenas do comportamento de pagamento das operações de crédito, dos serviços continuados (luz, água, telefonia fixa etc) e de telefonia móvel pós-paga.

Os bancos não enviarão informações como saldo em conta corrente ou extrato bancário, dados de poupança ou investimentos, nem detalhes de compras feitas com cartões de crédito. Essas continuam devidamente protegidas pela Lei do Sigilo Bancário.

Todas as informações financeiras e de investimentos farão parte do Cadastro Positivo.

Mentira! Tanto a lei atual quanto o texto-base do PLP permitem apenas o compartilhamento de informações de histórico de pagamento de transações que envolvam risco financeiro, ou seja, operações de crédito e consumo, como datas de vencimento e de pagamento das faturas/parcelas e os valores dos mesmos.

Informações que não estiverem vinculadas à análise de risco de crédito ao consumidor e informações sensíveis, como as consideradas de origem social e étnica, à saúde etc, não entram no Cadastro Positivo.

Renda e benefícios como aposentadoria farão parte do Cadastro Positivo.

Mentira! Nem informações de salário ou de aposentadoria, como dados de saldo em conta corrente, investimentos, pagamentos à vista e nem mesmo limite de crédito fazem parte do Cadastro Positivo. Esse tipo de informação não chega aos gestores de banco de dados, o que garante a privacidade dos consumidores.

O cadastro Positivo levará a uma situação discriminatória.

Mentira! Segundo estudos do Banco Mundial, feitos em diferentes países dos cinco continentes, um dos principais benefícios do Cadastro Positivo é a inclusão ao mercado do crédito.

No Brasil, de acordo com o superintendente da Boa Vista SCPC, com o Cadastro Positivo funcionando plenamente, espera-se a inclusão de mais de 20 milhões de pessoas ao mercado de crédito. E engana-se quem acredita que pessoas que estão com o nome sujo serão prejudicadas.

Como explica Nemirovsky, quem está inadimplente já enfrenta dificuldade para conseguir crédito na praça, ou quando consegue, obtém com juros muito mais altos. Logo, ao participar do Cadastro Positivo, pessoas com este perfil poderão mostrar que pagam diversas contas em dia e que têm capacidade de retomar o controle das suas finanças, e com este comportamento começar a construir um histórico de pagamento, retomando seu acesso ao crédito.

O Cadastro Positivo vai diminuir a assimetria das informações e aumentar competição entre os bancos.

Verdade! Com o Cadastro Positivo haverá um aumento significativo do número informações relacionadas ao comportamento de pagamento, o que contribuirá para a redução da assimetria de informações que existe hoje entre os credores, com isso haverá uma maior assertividade nas decisões de crédito e um maior número de empresas que podem concorrer com os grandes bancos para oferecer melhores condições ao consumidor ou às empresas.

Os concedentes de crédito terão acesso ao score de crédito que considera o histórico de pagamento de todos os consumidores e não apenas daqueles que hoje são seus clientes, o que irá contribuir para aumentar a competição entre os bancos, fintechs, varejistas e financeiras na busca por novos clientes, com taxas de juros mais atrativas para o consumidor.

As taxas de juros poderão diminuir com o Cadastro Positivo.

Verdade! A experiência mostra que nos países onde o Cadastro Positivo foi introduzido, os juros e a inadimplência recuaram e a facilidade na obtenção de crédito aumentou.

Os juros recuam porque o aumento da quantidade de informações sobre o consumidor reduz o risco nas operações de crédito, e os concedentes têm mais condições de distinguir bons e maus pagadores. Essa redução dos riscos ajuda a derrubar os spreads e, consequentemente, os juros.

Além disso, o Cadastro Positivo aumenta a concorrência entre os bancos, pelo fato de que mais agentes, como, por exemplo, os bancos menores e as fintechs, terão acesso as informações que hoje são exclusivas dos grandes bancos.

Posted in Padão at janeiro 23rd, 2020. No Comments.

Foto do Lula com irmão de Adélio Bispo: Verdade ou mentira?

Homem ao lado do ex-presidente é, na verdade, o médico Marcos Heridijanio, que foi candidato a deputado federal pelo PT em Pernambuco em 2018.

Circula pelas redes sociais uma foto que mostra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva com uma criança no colo ao lado de um casal. Uma legenda que acompanha a imagem diz que o homem é irmão de Adélio Bispo. A mensagem é #Falsa.

O homem na foto é, na verdade, o médico Marcos Heridijanio, que foi candidato do PT a deputado federal por Pernambuco em 2018. A foto usada na mensagem falsa está na página pessoal dele no Facebook desde novembro de 2019.

Ele também fez um vídeo em que fala do boato. “Essa semana eu sofri um ataque covarde. Achei uma covardia usarem meu filho e minha mulher numa foto montada dizendo que eu sou irmão do Adélio Bispo”, diz.

Segundo documentos do Tribunal Superior Eleitoral, o nome do médico é Marcos Heridijanio Moura Bezerra, nascido em São José do Belmonte, em Pernambuco, filho de Francisco Francelino Bezerra e Maria Carmeneide de Moura Bezerra. Não há nenhum parentesco entre ele e Adélio.

Adélio é filho de João José de Oliveira e Maria Bispo Ramos de Oliveira. Além disso, os irmãos de Adélio moram em Minas Gerais. Já o médico reside em Petrolina (PE).

Adélio é o autor da facada no presidente Jair Bolsonaro durante a campanha presidencial de 2018. Os irmãos de Adélio, que até hoje temem represálias e receiam ser expostos, dizem que tentam continuar a vida após o atentado.

Adélio foi considerado inimputável pela Justiça, ou seja, não pode ser punido criminalmente, por ter doença mental. A prisão foi convertida em internação por tempo indeterminado. Pela decisão, ele deve permanecer num presídio de Campo Grande (MS).

Posted in Padão at janeiro 8th, 2020. No Comments.

Verdade ou mentira que doce turco é vendido no Brasil com pílulas que causam paralisia?

Imagens circulam em redes sociais, inclusive de outros países. Produto não é exportado para o Brasil; outros detalhes denotam falsidade do vídeo. Fabricante afirma que material é ‘irreal e ilusório’ e tem como objetivo difamar a marca.

Circula pelas redes sociais um vídeo em que uma pessoa abre a embalagem de um doce, divide a bisnaga em pedaços e mostra logo depois duas pílulas brancas. Uma legenda que acompanha o vídeo diz: “Esse biscoito turco tem 2 comprimidos que causam paralisia. Já chegou ao Brasil. Não comprem e espalhem essa mensagem”. É #MENTIRA.

O produto não é exportado para o Brasil. Além disso, há outros detalhes que denotam a falsidade do vídeo.

A empresa Sölen, que fica na Turquia e produz o bolinho, afirma que o vídeo é “irreal e ilusório”. A fabricante diz que a mensagem tem como único objetivo difamar a marca.

A empresa afirma ainda que segue normas rígidas de produção e passa regularmente por organizações de inspeção independentes com relação à segurança alimentar.

A mensagem tem circulado em outros idiomas e versões. Uma delas, em turco, diz que os doces contêm drogas. A conta da ?ölen no Twitter sugere, inclusive, um texto publicado em uma agência turca de verificação de fatos com maiores explicações sobre o caso.

O texto da agência de checagem turca Teyit aponta para um truque. Diz que, se o vídeo for examinado cuidadosamente, será notada a deformação no bolo, o que indica que as pílulas foram inseridas de propósito.

A agência também aponta que a voz no fim do vídeo revela o dialeto Sorani, uma das línguas oficiais do governo regional do Curdistão iraquiano – sinal de que o vídeo foi gravado no país do Oriente Médio.

Outro detalhe que revela que o vídeo foi gravado no Iraque é a imagem, ao fundo, de um outro produto – uma ave congelada – exportado pela Turquia e que tem o Iraque como principal mercado consumidor.

Por fim, a agência mostra o resultado de uma análise realizada por auditores independentes afirmando que o produto não apresenta nenhuma irregularidade.

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) diz não ter recebido nenhuma denúncia ou informação de ocorrência a respeito desse produto.

 

Posted in Comida, Doce at novembro 21st, 2019. No Comments.

Verdade ou mentira que o assessor do PT ganhador da Mega-Sena comprou carro de luxo três dias antes do sorteio?

Conteúdo falso circula em sites e redes sociais. Nome informado não é de assessor do PT nem de funcionário da Câmara. Imagem usada foi tirada de reportagem sobre empresário.

Circula pelas redes sociais um texto que diz que um assessor do PT comprou um carro de luxo três dias antes de ganhar na Mega-Sena. A mensagem, reproduzida em posts nas redes sociais, é acompanhada de uma imagem com o automóvel em questão e uma pessoa à direção. É #Mentira.

O texto afirma que o nome do assessor do PT, ganhador da Mega-Sena, é Miquéias Mendonça, de 51 anos, e que recebe um salário mensal de R$ 3,5 mil. No entanto, não existe nenhum servidor com esse nome na lista de funcionários da liderança do PT.

O único Miquéias na listagem nominal de parlamentares e servidores disponível no site da Câmara dos Deputados tem outro sobrenome (e salário diferente). E trabalha no gabinete de um deputado do DEM.

O texto é acompanhado ainda de uma foto de um homem de camisa vermelha dentro de um carro de luxo. Mas o nome do homem que aparece na foto não é Miquéias Mendonça. Trata-se, na verdade, do advogado Marcelo Sixto Schiavenin, que foi dono de uma garagem de veículos de Cuiabá, suspeito de não pagar aos donos pela compra de veículos de luxo.

O conteúdo falso foi criado para dar a entender que um dos vencedores já sabia que ia ganhar o prêmio – o que não é verdade. Na quarta-feira (18), um grupo de assessores do PT ganhou um prêmio de R$ 120 milhões da Mega-Sena. A notícia foi amplamente divulgada.

Posted in Padão at setembro 23rd, 2019. No Comments.

Pirulito Energy contém energético e quase causou a morte de crianças? Verdade Ou Mentira?

 

O alerta surgiu nas redes sociais no final de fevereiro de 2018 e rapidamente se espalhou através de inúmeros compartilhamentos também no WhatsApp. De acordo com o texto, uma amiga médica teria pedido para que se avise o maior número de pessoas sobre o perigo de um novo pirulito chamado Energy, cuja fórmula teria – dentre vários ingredientes – uma grande quantidade de energético, o que estaria causando falta de ar, vômitos, queda da pressão, aumento da frequência cardíaca e tosse incessante nas crianças!
Segundo que diz o relato da médica, essa já seria a terceira criança atendida na emergência com intoxicação por causa desse pirulito.

É verdadeiro ou falso o alerta afirmando que o pirulito Energy contém energético e está causando intoxicação alimentar nas crianças?

Será que isso é verdade ou mais uma mentira da web?

 

Verdade ou Mentira?

O alerta possui várias características de um boato digital:

Não é datado
Pede para ser repassado
Não dá nenhum dado que possa ser verificável
É muito vago
Carece de fontes
Trata de um assunto que atrai muitos cliques

Pra começo de conversa, não se sabe nem o nome da médica que teria dado do aviso a respeito do “perigo” desse pirulito. Quem espalha essa história afirma que “uma amiga médica” teria alertado, mas ninguém diz o nome dela…

Além disso, não se sabe o nome do hospital e nem quando as crianças teriam dado entrada nesse hospital.

Não encontramos em nenhum site de notícias nada a respeito. Uma notícia desse tipo, com certeza, seria um prato cheio para os jornais (principalmente, para os sensacionalistas).

Além disso, o pirulito citado não contém energético em sua composição! A própria Peccin, fabricante do alimento, explica em seu site que o pirulito Blong Energy não possui energético, estimulante ou alcoólico em sua composição, podendo ser consumido por pessoas de todas as idades:

Conclusão
O alerta afirmando que as crianças estariam dando entrada nos hospitais após o consumo do pirulito Energy é falso! De acordo com a empresa, o alimento apenas imita o sabor de bebidas energéticas, mas não possui estimulantes em sua composição!

O Comitê de Direitos Humanos do Brasil mandou libertar as mulheres que mataram o pequeno Rhuan? Verdade Ou Mentira?

A notícia surgiu nas redes sociais na segunda semana de junho de 2019 e também foi publicada em diversos sites e blogs, como o Rondônia Aqui News, Inforprime e outros. De acordo com o texto, o Comitê de Direitos Humanos do Brasil teria expedido uma ordem determinando a soltura imediata das duas mulheres acusadas de matar e esquartejar o próprio filho, o menino Rhuan, de apenas 9 anos de idade.

Ainda, segundo o que diz na reportagem, Rosana Auri da Silva e Kacyla Pryscila Santiago – por serem rés primárias – ganharão a liberdade até a conclusão do julgamento.
Será que essa notícia é verdadeira ou falsa?

Verdade ou Mentira?
No dia 1º de junho de 2019, Rosana Auri da Silva Cândido e Kacyla Pryscila Santiago Damasceno Pessoa foram presas acusadas de matar e esquartejar filho de Rosana – Rhuan (9 anos)! As acusadas confessaram o crime bárbaro.
De acordo com a última decisão do Tribunal do Júri de Samambaia publicada no dia 1º, a prisão em flagrante da dupla foi convertida em preventiva. Ou seja, elas continuam presas!

Outro detalhe é que não existe um “Comitê de Direitos Humanos do Brasil”. O que existe é o Comitê de Direitos Humanos da ONU e ele não tem poder de expedir pedidos de soltura. Apenas o Poder Judiciário Brasileiro pode expedir mandados desse tipo.

Além disso, o site que primeiro publicou essa notícia falsa, o Inforprime, é conhecido por criar e disseminar fake news. Você ainda vai ouvir falar dele aqui em breve…

Conclusão:

As duas assassinas do menino Rhuan continuam presas na Penitenciária Feminina do DF, a Comeia. Além de homicídio qualificado, as acusadas ainda responderão por outros 4 crimes cometidos antes e depois da morte do menino!

Será que uma das assassinas da adolescente Raíssa foi esquartejada na prisão? Verdade Ou Mentira?

Fotos mostram que uma das moças que se filmaram assassinando a adolescente Raíssa foi morta e esquartejada na prisão! Será verdade? Após a publicação de vídeos mostrando a participação de duas adolescentes esfaqueando e torturando até a morte uma colega de escola em Recife, no dia 25 de junho de 2019, várias publicações começaram a se espalhar nas redes sociais sobre o castigo fatal que uma delas teria sofrido na prisão.

Segundo o que se espalhou, a adolescente de cabelos escuros teria sido morta e esquartejada na cadeia e que a “justiça havia sido feita”.

Será que isso é Verdade Ou Mentira

Verdade ou mentira?
No dia 25 de junho de 2019, uma jovem de 14 anos foi morta a golpes de faca por outras duas adolescentes de 15 anos. O crime aconteceu na Região metropolitana do Recife foi filmado por uma das agressoras e o vídeo chocante se espalhou através de grupos de WhatsApp e em outras redes sociais. Como foi mostrado em outro vídeo, as duas assassinas foram presas em flagrante e encaminhadas à Delegacia de Maria Farinha. Como já mostramos diversas vezes aqui, sempre que um caso como esse ganha notoriedade nas redes sociais surge um boato (ou boatos) de que “fizeram justiça com as próprias mãos” contra os assassinos. Dessa vez não foi diferente! A foto de um corpo esquartejado é de um crime ocorrido em 2016 (cuidado ao abrir o link, pois as imagens são fortes), no estado mexicano de Tamaulipas. Na ocasião, por conta de uma guerra entre facções criminosas, o cadáver desmembrado de uma jovem mulher foi abandonado em uma praça chamada Paseo Mendez. Os restos mortais foram deixados em dois sacos de lixo com uma mensagem em um cartão assinado pelos Zetas (uma das maiores organizações criminosas do México) dirigido ao Cartel do Noroeste (outra facção criminosa daquele país).

Quanto às adolescentes, elas ainda aguardam parecer da Justiça.

Conclusão:
Nenhuma das assassinas da adolescente Raíssa foi morta na prisão! Notícia falsa!

Posted in Foi Esquartejada Na Prisão? at julho 31st, 2019. No Comments.