Os médicos que descobriram que as vacinas continham enzimas cancerígenas foram assassinados? Verdade Ou Mentira?

É verdade que os médicos que descobriram que as vacinas continham enzimas cancerígenas foram todos encontrados mortos?

A notícia não é nova, mas ganhou força na segunda semana de julho de 2018. De acordo com o texto, as mortes dos médicos deixaram a comunidade médica sem palavras porque eram pesquisadores que estavam trabalhando em uma nova cura revolucionária para o câncer, o GcMAF.

A notícia ainda afirma que o Dr. James Bradstreet, um dos médicos, foi encontrado morto em um rio com uma ferida de bala no peito e algumas pessoas disseram que as grandes empresas farmacêuticas podem ter visto o trabalho dos médicos como seu inimigo, por isso, os assassinatos.

Será que isso é verdade ou mais uma farsa da web?

Verdade ou mentira?
Esse texto sensacionalista nasceu em uma postagem traduzida do inglês em sites já conhecidos aqui no E-farsas por disseminar fake news, como o Sempre Questione. Em maio de 2016, essa mesma história já circulava por aí, só que com outros personagens, mas o assunto se espalhou mais através de uma cópia desse mesmo “artigo” feito no obscuro Universo Alienígena BR, que – é óbvio – não deve ser levado a sério!

Em primeiro lugar, a notícia engana o leitor logo na manchete, pois fala de vários médicos (ou de todos que haviam descoberto enzimas do câncer em vacinas) que teriam sido mortos. No entanto, no texto fala apenas do Dr. James Bradstreet.

Só para esclarecer, o Dr. James Bradstreet existiu, de fato, e foi encontrado morto em um rio no estado norte-americano da Carolina do Norte. A sua morte foi divulgada em 2015 e a Polícia encerrou o caso como o de suicídio.

Apesar de médico, o dr. Bradstreet foi um dos primeiros a defender a teoria de que vacinas causam autismo nas crianças, algo que posteriormente ficou comprovado que se tratavam de pesquisas falsificadas.

Pesquisas contra o câncer (ou quaisquer outras)
Uma coisa que devemos deixar clara aqui é que as pesquisas científicas não são (ou não devem ser) feitas por uma única pessoa. As pesquisas nunca são solitárias!

O correto (e o que se manda nas boas práticas) é que tudo o que se é pesquisado seja documentado para que um mesmo experimento tenha os mesmo resultados independente de onde e quando ele seja feito.

Muita gente tem a ideia de que um remédio é desenvolvido por um único cientista maluco (como aqueles de cinema), mas há equipes trabalhando nisso e assassinar o chefe de uma pesquisa não inviabiliza o projeto.

O GcMAF:

O mesmo texto alarmista que confunde o leitor (pois em um primeiro momento, dá a entender que as vacinas causam câncer) especula que o dr. James Bradstreet (assim como todos os outros envolvidos) estaria trabalhando na cura definitiva do câncer através do GcMAF. No entanto, é bom deixar claro aqui também que tratamentos com essa proteína estão proibidos desde 2014. Inicialmente considerada uma cura para várias doenças – como a AIDS, o autismo e o câncer (como se houvesse apenas um tipo de câncer) – não encontrou-se nenhuma comprovação de sua eficácia e, inclusive, as revistas científicas que publicaram estudos a respeito se retrataram pelo vacilo!

Conclusão:
Não há nenhuma comprovação de que “todos” os médicos que descobriram que as vacinas continham enzimas cancerígenas foram assassinados!

Uma criança quase morreu engasgada com Fidget Spinner? Verdade Ou Mentira?

Notícia afirma que uma garota texana quase morreu asfixiada após se engasgar com o brinquedo Fidget Spinner! Será que isso é verdade ou mentira? Na última semana de maio de 2017, a postagem de uma mãe desesperada se tornou viral no Facebook e rapidamente se espalhou através das demais redes sociais. De acordo com o texto, a filha de uma mulher, no Texas, teria sido submetida a uma cirurgia, às pressas, para a retirada de um brinquedo que teria ficado preso na sua garganta!

Conhecido como Hand Spinner ou Fidget Spinner, o pequeno brinquedo teria ido parar na garganta da menina, impedindo a garota de respirar…

O texto ainda alerta a todas as mães que vigiem o uso do Fidget Spinner por seus filhos, para que não aconteça esse mesmo tipo de incidente que ocorreu com a sua filha!

Será que isso é verdade ou mentira?


Verdadeiro ou falso?
No dia 14 de maio de 2017, Kelly Rose Joniec estava dirigindo o seu carro, no Texas, quando percebeu sua filha – que estava no banco de trás – havia se engasgado com uma das rolimãs que compõe o Fidget Spinner. A menina, Britton, explicou que havia colocado o brinquedo na boca para “limpar” e acabou engolindo acidentalmente uma das peças (que tem o tamanho aproximado de uma moeda de 50 centavos)!

As duas foram ao pronto-socorro onde os médicos decidiram transferir a criança para o Hospital Pediátrico do Texas e um exame de raio-x mostrou que a rolimã havia ficado presa no esôfago da menina.

Após uma endoscopia, o objeto foi retirado com sucesso!


O Fidget Spinner

Apesar de fazer um estrondoso sucesso em 2017, o Fidget Spinner foi criado em 1990 pela engenheira química Catherine Hettinger, como uma ferramenta anti-stress e para crianças com autismo. O produto é recomendado para crianças acima de 8 anos.


Apesar do fato ocorrido com a jovem Britton ser real, é bom ressaltar aqui alguns pontos:

Ela engoliu uma peça do brinquedo e não o brinquedo inteiro;
A menina desmontou o brinquedo para “limpar” as peças separadas com a língua;
Ela não se machucou com o brinquedo em si, mas se engasgou pelo uso inadequado das peças;
Os pais devem, sim, vigiar as brincadeiras dos filhos;
Em maio de 2017, um garoto de 5 anos ficou com o dedo preso em um brinquedo desses e os médicos tiveram que usar várias ferramentas para corta-lo. O menino passa bem!


Conclusão
A notícia da criança texana que se engasgou com uma peça do Hand Spinner é real! Ela desmontou o brinquedo para lambe-lo e acabou engolindo uma das rolimãs!