Aspartame, é seguro usar?

[adrotate banner=”5″]
aspartame ou aspartamo, um tipo de adoçante, é um aditivo alimentar criado para substituir o açúcar refinado.

Ele foi elaborado no ano de 1965 por uma empresa americana chamada G.D. Searle & Company que foi posteriormente adquirida pela Monsanto.

Ele tem maior poder de adoçar (cerca de 200 vezes mais doce que a sacarose) e é menos denso, por isso é um dos adoçantes mais utilizado em bebidas.

Abaixo segue um texto com perguntas e respostas elaborado pela ANVISA que visa tirar dúvidas quanto a saúde bem como a segurança do seu uso.

O aspartame é seguro?

Sim, existe consenso entre inúmeros comitês internacionais sobre a segurança do aspartame.

O que acontece com o aspartame no nosso organismo?

Ele é metabolizado no trato gastro intestinal liberando dois aminoácidos, o ácido aspártico e a fenilalanina, e metanol.

O ácido aspártico liberado pelo aspartame representa risco à saúde?

Não. Doses de aspartame acima da dose diária recomendada resultam em aumento pequeno de ácido aspártico no sangue, bem abaixo de doses consideradas como prejudiciais à saúde.

Alimentos em geral podem conter ácido aspártico. Por exemplo, um hambúrguer de 100 g pode conter até 40 vezes a quantidade de ácido aspártico presente em uma lata de refrigerante (350 ml) adicionado de aspartame.

A fenilanina liberada pelo aspartame representa risco à saúde?

Não. Após uma dose única de aspartame equivalente a 20 latas de refrigerante com este adoçante, o nível de fenilalanina no sangue permanece dentro da faixa normal , bem abaixo de níveis que possam causar toxicidade. Mesmo para indivíduos com capacidade reduzida de metabolizar a fenilanina (portadores heterozigotos de fenilcetonúria), uma dose semelhante não eleva os níveis plasmáticos de fenilanina a valores que possam ser considerados um risco à saúde.

O metanol liberado pelo aspartame representa risco à saúde?

Não. A quantidade de metanol liberada pelo aspartame é muito pequena e mesmo doses elevadas, equivalentes à ingestão diária recomendada para este adoçante, resulta em uma ingestão de metanol 200 vezes inferior à dose tóxica. A quantidade de metanol proveniente do aspartame contido em uma lata de refrigerante (350 ml) equivale à quantidade liberada pelo mesmo volume de suco de laranja e de maçã, sendo de 4 a 6 vezes inferior àquela presente no suco de tomate e de uva.

Quem não deve consumir o aspartame?

Os portadores de uma deficiência rara, fenilcetonúria, não metaboliza o aminoácido fenilalanina, devendo evitar o consumo de aspartame.

Esses indivíduos também são incapazes de metabolizar a fenilalanina de qualquer alimento, devendo ser submetidos a uma dieta rigorosa.

A legislação brasileira obriga que os alimentos que contém aspartame tragam no rótulo a seguinte advertência em destaque e negrito: CONTÉM FENILALANINA

O aspartame pode ser consumido por grávidas e crianças?

Sim. O metabolismo do aspartame já foi estudado nestes grupos da população, não havendo até o presente evidências científicas de que gestantes e crianças metabolizem o aspartame diferentemente de um adulto normal.

Existe alguma relação entre o consumo de aspartame e esclerose múltipla, Lúpus sistêmico, mal de Alzheimer ou aparecimento de tumor cerebral?

Não. Esclerose múltipla é uma doença causada por muitos fatores, não existindo qualquer associação entre sua ocorrência e o consumo de aspartame.

Também não existem evidências científicas associando o aspartame com Lúpus sistêmico, mal de Alzheimer e ocorrência de tumor cerebral.

O aspartame prejudica o diabético?

Não. Estimativas de ingestão de aspartame por diabéticos indicam um consumo considerado seguro pela Organização Mundial de Saúde (OMS).

Foram realizadas pesquisas para verificar o efeito do aspartame no organismo humano?

Sim. Há inúmeros dados na literatura sobre ensaios clínicos realizados em indivíduos normais, diabéticos e indivíduos com problemas no metabolismo da fenilalanina, não tendo sido evidenciados danos à saúde.

Qual a quantidade de adoçante a base de aspartame que pode ser ingerida diariamente?

A quantidade máxima de aspartame que um adulto com 60 kg pode ingerir diariamente, com segurança, é de 2.400 mg, o que equivale, aproximadamente, ao consumo de 48 envelopes de 1 g de um adoçante dietético com 5% de aspartame, ou a 4 litros de refrigerante adoçado apenas com aspartame.

No caso de uma criança com 30 kg, as quantidades máximas correspondem a 24 envelopes do mesmo adoçante ou a 2 litros de refrigerante.

Posted in Medicina, Mitos at julho 1st, 2010. No Comments.

Microondas causa câncer?

[adrotate banner=”2″]Quando se popularizou nos Estados Unidos, na década de 70, o microondas era apontado como a grande inovação na cozinha: servia para aquecer, cozinhar e descongelar os alimentos, de forma prática e bem mais rápida do que o forno e o fogão convencionais. Com o passar do tempo, diversas pesquisas científicas apontaram os riscos que o aparelho traria para a saúde, com problemas que vão desde o vazamento de radiação à perda de nutrientes da comida.

Segundo a nutricionista Bárbara Rodriguez, o ideal é usar o microondas o mínimo possível. “As moléculas dos alimentos não foram feitas para vibrar nos níveis impostos pelo cozimento com microondas. Isso tende a danificar os nutrientes mais delicados e eles perdem a capacidade de nutrir”, explica ela. “Além disso, existem estudos que afirmam que certos aminoácidos naturais podem assumir formas tóxicas quando expostos a esse tipo de cozimento”, complementa.

Recentemente, o guia do Environmental Working Group, uma organização de divulgação das informações referentes a saúde pública, condenou o uso de utensílios de plástico no microondas. “Toxinas cancerígenas podem vazar das bandejas plásticas, de papéis ou das películas plásticas dos alimentos feitos para serem preparados no microondas. E essas toxinas podem se misturar à sua comida”, afirma Bárbara Rodriguez.

Tânia Nigri, do Gávea Integral, é a favor do microondas. “Uso na loja, para aquecer as refeições antes de servir, e em casa, para esquentar e descongelar alimentos. Mas sempre deixo a comida em recipientes de vidro, nunca de plástico”, conta ela. “Não sou estudiosa do assunto, mas, pelo que sei, não há dados 100% concretos de que o microondas faça mal à saúde, desde que haja manutenção correta do aparelho”, diz Tânia.

Veja alguns cuidados que precisam ser tomados na hora de usar o microondas.

Vazamento – Para testar se há vazamento de radiação, deixe uma maçã em cima do aparelho enquanto usá-lo por um período mínimo de dois minutos. Caso a fruta cozinhe, o microondas precisa ser levado para manutenção.

Explosões – Recipientes de metal ou de louça com filetes dourados ou prateados não podem ser levados ao microondas. Eles refletem as ondas e podem causar explosões.

Furos – Alimentos com pele, casca ou membrana, como tomate, batata, salsicha e ovo, por exemplo, devem ser furados com um garfo ou palito antes de serem colocados no microondas. Do contrário, podem estourar dentro do aparelho ou na hora em que forem retirados para servir.

Líquidos – Tenha cuidado ao aquecer líquidos no microondas. Eles podem entrar em ebulição ao serem retirados do aparelho, espirrando para fora do recipiente em que estão e causando queimaduras.

Uso liberado – Papel, papelão, vidro, cerâmica e louças sem filetes de metal, desde que fabricados para esse fim, podem ser usados sem problemas no microondas. Esses materiais permitem a passagem das ondas.

Fonte GNT

Posted in Mentiras, Mitos, Verdades at março 19th, 2010. 22 Comments.